Archive for março, 2011

Copa de 2014 em Cuiabá – será mesmo?


 

Por Mauro Vallim

 

Desde que Cuiabá foi escolhida como sede dos jogos da copa de 2014 a população cuiabana vive em euforia, pois com previsão de novos investimentos em obras preveem a transformação de Cuiabá em uma cidade moderna e bem aparelhada,  pelo menos é isso que imagino acontecer, herança deixada pelo evento, um legado de grandes obras e projetos internacionais que transformarão nossa história.

Só não quero que todo este “sonho” possa acabar como um grande “pesadelo” para nós cuiabanos.

O Evento “Copa do Mundo” vai além dos investimentos nas estruturas de mobilidade urbana e arenas, muitos outros fatores importantes precisam ser resolvidos para que tudo aconteça.

Destaco alguns pequenos probleminhas;

– Falta uma segurança publica séria e eficiente

– Resolver o caos da saúde, falta de atendimento, fila de espera, numero insuficiente de profissionais e agora as greves dos médicos

– Reforma urgente do Aeroporto Marechal Rondon, por lá a situação esta precária, estrutura do telhado já esta desabando, que vergonha.

– Nossa educação sofrendo investigação do MP

– Projeto de mobilidade urbana continua travada

– As infraestruturas de transportes (BRs) não andam

– Dizem que a tal “Arena Multiuso” (Elefante Branco) esta em andamento, mas não é o que tenho visto, é só alguém dar uma volta por aquelas redondezas para comprovar.

– As tais licitações quando parece que vai sair retorna ao inicio

– Se discute ainda e nesta altura do campeonato, mudança na gestão da Agência Executora das Obras da Copa do Mundo (AGECOPA), até quando vai essa “briguinha política”?

– Teremos o BRT, VLT ou PQP? Será qual é mais viável para nossa gente? E qual fornece melhor comissão?

Já começo acreditar na Copa do Pantanal assim como acredito em Papai Noel ou Coelhinho da Páscoa.

 

Modelos de chuteiras e como escolher a ideal para cada tipo de jogador


A importancia de saber escolher uma chuteira

A princípio, quando um jogador amador de futebol vai procurar sua primeira chuteira, é automaticamente atraído pelas marcas e cores de chuteiras disponíveis em uma loja, porém o que a maioria não sabe é que atrás delas existe uma extensa pesquisa e uso de tecnologia para aumentar o desempenho do jogador, tanto na questão do material quanto do design.

Se tratando de chuteiras de campo, existem chuteiras de 6 travas, ideais para goleiros, zagueiros e atacantes. As travas são grandes, espaçadas e entram mais profundamente no gramado, criando maior estabilidade para jogadores que não costumam correr tanto e precisam parar bruscamente. Algumas dessas chuteiras possuem travas de alumínio, que já chegou a ser proibido pelo perigo que causava. Um exemplo de chuteira deste tipo é a Adidas Predator.

Para chuteiras de campo, também há as chuteiras com 13 travas, há algumas com menos, mas em média acima de 10, elas são indicadas para laterais e meio campistas, ou seja, jogadores que necessitam de velocidade e conforto. Um exemplo deste tipo de chuteira seria a Nike Mercurial.

Há também chuteiras versáteis cujas travas podem ser trocadas, elas podem cumprir ambas as funções citadas acima, pois você pode não somente trocar quanto remover algumas. Um modelo de chuteira neste estilo é a Adidas F50 Tunit.

Se tratando do material das chuteiras, há muitos que preferem a fibra de carbono, por ser leve. Já no caso do couro de canguru, muitos atletas o utilizam por ser o material que mais fornece conforto. Existem várias chuteiras fabricadas com material sintético, que neste caso é um material relativamente barato, utilizado para chuteiras mais simples.

No caso de chuteiras society e de futebol de salão, o que altera é o solado, que na maioria das vezes possui uma placa de EVA para auxiliar no amortecimento, pois o solo de um campo society ou futsal é mais rígido por natureza.

As chuteiras de society possuem várias travas de borracha curtas distribuídas por todo o solado, geralmente as mais macias são melhores. As chuteiras de futsal são comumente de uma borracha de tom amarelado e possuem uma característica chamada “non-marking”, para que a borracha não marque a quadra, é por este motivo também que a maioria das chuteiras não possuem solado com borracha escura. As melhores chuteiras de futsal também possuem um círculo chamado “ponto de giro”, que auxilia o jogador quando o mesmo deseja girar o corpo rapidamente, reduzindo o risco de torções.

Como pode ser observado, o talento de um jogador não pode ser substituído, mas ele pode acabar sendo reduzido caso o mesmo utilize um equipamento errado, portanto é extremamente procurar uma boa loja especializada em chuteiras de campo, society e futsal.

Fonte: artigos.com     http://www.artigos.com/artigos/saude/esportes/modelos-de-chuteiras-e-como-escolher-a-ideal-para-cada-tipo-de-jogador-15965/artigo/

Mais um atleta do Uirapuru segue para o clube do Mogi


Nesta segunda feira em que a escolinha da Associação Atlética Uirapuru comemorou  37 anos a boa noticia é que a escolinha promoveu  mais um jovem  atleta, Gustavo Monge, que deve embarcar ainda esta semana para se juntar a outros garotos do Uirapuru que já se encontra no clube do Mogi Mirim/SP. Parabens garoto

Associação Atlética Uirapuru comemora hoje 37 anos de existência


Uma das escolhinhas de futebol mais tradicional de Cuiabá comemora hoje 37 anos, mas a data passa em branco, nem mesmo a UFMT onde originou a escolinha preparou qualquer celebração, nenhuma novidade. A Associação Atlética Uirapuru foi fundada em 1974 na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Pela escolinha passaram  grandes atletas, alguns se tornaram grandes jogadores de futebol de clubes brasileiro e internacional outros seguiram em diversas outras profissões.A escolinha tem registrado em sua trajetória vários títulos conquistados a níveis regionais, nacionais e internacionais. Hoje mesmo com todas as dificuldades financeiras e estruturais a escolinha ainda continua revelando jovens atletas a grandes clubes brasileiros. É triste ver uma escolinha de futebol deste nível sem quaisquer incentivos publico  nem mesmo privado e sem reconhecimento digno do tamanho que a escolinha representa para a sociedade cuiabana. Esta é a realidade que vive o futebol amador de base da nossa capital. Mesmo assim seus colaboradores, coordenadores, professores, atletas, pais e amigos os saúdam pela data. PARABENS ASSOCIAÇÃO ATLETICA UIRAPURU.

Atletas do Uirapuru são aprovados no Mogi Mirim


Depois de ter dois garotos aprovados no São Paulo Futebol Clube inicio deste ano, nesta semana alguns atletas da escolinha do Uirapuru estiveram realizando teste no CT do Mogi Mirim Esporte Clube/SP, dois deles foram aprovados e já devem permanecer no clube em preparação para a copa São Paulo sub15 que acontece no próximo mês, são eles Jan Diego e Lucas Melquiades, ambos do sub14 do Uirapuru, um terceiro atleta poderia ser escolhido  mas ainda em definição pela coordenadoria de base do Mogi Mirim.

Respire para vencer


Atletas de elite dizem que sem a consciência da respiração, toda a força e a flexibilidade do mundo não são suficientes para levá-los à linha de chegada.

Poucas pessoas parecem ou sentem-se revigoradas no momento em que completam uma prova de triathlon Ironman, uma competição árdua com 3,8 km de natação, 180 km de bicicleta e 42 km de corrida. Mas quando Ian Jackson cruzou a linha de chegada no Ironman do Havaí na respeitável colocação de 45º lugar, chamou a atenção de um repórter da Time/Life. Ele não parecia tão abatido quanto os outros atletas. “Eu simplesmente completei 225,8 km de meditação com respiração. Os últimos quilômetros foram como as borbulhas de uma taça de champanhe”, disse ao repórter. Sua frase apareceu na edição de retrospectiva da Life e, desde então, Jackson vem pregando as maravilhas e a importância da respiração dos atletas.
Você pode se perguntar por que a respiração é tão importante para os atletas. A respiração adequada aprimora a técnica, reduz o estresse e melhora o sistema cardiovascular. “Tudo o que fazemos está relacionado com a respiração porque é a catálise que faz tudo funcionar junto”, diz o ciclista que participou de três Olimpíadas John Howard. Ele trabalhou com Jackson para divulgar a eficácia da respiração trabalhada para atletas. “Se você não respira corretamente, não oxigena o sangue. Toda flexibilidade tem a ver com melhora na mobilidade, e isso vem de um melhor fluxo de sangue.”
Embora Jackson tenha desenvolvido ferramentas específicas e técnicas para atletas na forma de seus CDs Breath Play, a filosofia por trás do trabalho do instrutor vem diretamente de sua prática de asanas. Jackson encoraja atletas a soltar o ar ativamente na expiração e inspirar passivamente. “É bastante parecido com a meditação taoísta, quando você solta todo o ar e então se rende ao retorno do ar”, diz Jackson. Ao fazer esse tipo de respiração, o diafragma move-se para cima na expiração, empurrando mais ar para fora, e mais para baixo na inspiração, deixando mais ar entrar, o que é muito diferente de como os atletas geralmente respiram.
“A tendência de muitos atletas é respirar de uma maneira rápida e vigorosa em vez de primar por uma respiração lenta e extensa. Um dos problemas é que isso não faz nada para melhorar o trabalho no corpo. Os músculos não são ativados tão bem quanto poderiam”, explica Howard. Ele diz que, para a maioria dos atletas, uma taxa elevada de exercícios físicos gera um alto nível de atividade simpática, que é caracterizada por uma taxa cardíaca aumentada e inspiração e expiração rápidas. Mas expirações lentas, profundas e controladas podem estimular a divisão parassimpática, a área “em repouso” do sistema nervoso. Isso significa que as técnicas de respiração permitem que você mantenha uma taxa de trabalho elevada em profundo relaxamento.
A técnica de Jackson é sobre adquirir o controle da respiração e assim ter melhor controle sobre o corpo e seu desempenho. Isso inclui conseguir usar a respiração para manter a compostura durante situações estressantes. É uma abordagem que o alpinista Conrad Anker diz literalmente ter salvado a sua vida.
Anker escala os terrenos tecnicamente mais desafiantes do mundo, da Antártica aos Himalaias. Quando o ar fica rarefeito, ele respira para manter a mente e o corpo focados. “Até em escaladas as pessoas se esquecem de respirar bem diante de um movimento arriscado. Se estou em um momento difícil, trabalho com o medo. Uso a respiração para controlar as minhas habilidades, assim respiro através do medo”, diz.  para isso, Anker recorre a uma técnica que ele chama de “20 respirações”: inspirações lentas e profundas 20 vezes para restabelecer o equilíbrio.
“Em grandes altitudes, você não tem muito oxigênio no sistema, é um esforço constante, e quando fica mais difícil respirar, você precisa de algo que o traga de volta onde precisa estar. Se estiver ofegante, depois das 20 respirações, estará de volta à boa forma.” A abordagem de Anker é justificada também por uma perspectiva fisiológica. O Journal of Hipertension, veículo norte-americano especializado em hipertensão, reportou que “a respiração yóguica ajuda a manter o sangue oxigenado em grandes altitudes”.
Quanto às posturas recomendadas para melhorar a respiração, Jackson recomenda os asanas em que a extensão da coluna varia de acordo com a respiração, como os três que aparecem nesta reportagem. Por exemplo, ensinou a uma triatleta que sentia dor e rigidez no pescoço e nos ombros durante a parte de ciclismo do Ironman que ela se imaginasse cuidada por uma gata-mãe.
“Se você pensar em uma gata carregando seu filhote, ela o segura pela parte mole da pele de trás do pescoço. O gatinho é levado pela boca da mãe relaxado, ombros para baixo, costas curvadas, cóccix para baixo, exatamente como na postura do gato”, explica. “Então, tanto na postura como na bicicleta, imagine que a gata está te levantando enquanto você expira e te soltando enquanto inspira. A elevação na parte de trás do pescoço cria um alongamento sutil, quase imperceptível, mas ajuda a aliviar a tensão crônica. Alongar a coluna com a respiração ajuda a criar uma técnica clara e precisa”, conclui.
Para Howard e seus atletas, técnica precisa significa rendimento e resistência prolongada, que ele diz serem “as chaves reais para o bom desempenho”.

 

Por: Nancy Coulter-Parker

Fonte: http://yogajournal.terra.com.br/show_yoga.php?id=1233

Equipe “Digorest Runners” presente na corrida Senhor Bom Jesus de Cuiabá


A equipe cuiabana “Digorest Runners” estará presente na XXV Corrida Pedestre Senhor Bom Jesus de Cuiabá. Hoje a equipe é representada por dois atletas e ambos já estão inscritos na corrida pedestre do dia 03/04 com distancia de 10 km.

Psicologia do Esporte: Comportamento sedentário é difícil de ser modificado


“Pais que praticam exercícios físicos com as crianças e de alguma forma as estimulam, possivelmente estão garantindo um comportamento ativo na adolescência e contribuindo de maneira significante para que esse estilo de vida se estenda pelo resto da vida” Hoje em dia não se pode reclamar da falta de informação sobre os benefícios do exercício físico para o ser humano.

Desde publicações em periódicos científicos passando por revistas, livros, jornais, etc… há uma enormidade de conhecimento acumulado que nos permite dizer que o exercício físico é pré-requisito para se viver bem e com saúde.

Paralelamente, orientações gerais, metodologias de treinamento e os mais diversos métodos para a prática de exercícios físicos são propostos quase que continuamente. A despeito dessa constatação o sedentarismo é ainda um dos grandes agentes para o aumento do número de doenças cardíacas, diabetes, obesidade e outros males que assolam a população mundial.

Eis o conflito estabelecido: se é senso comum os benefícios dos exercícios físicos por que o sedentarismo ainda é um desafio difícil de ser enfrentado?

Esta é uma pergunta com várias e boas respostas. Depende da pessoa que a responde. Alguém, por exemplo, poderia falar sobre a evolução do cérebro humano e a adaptação do mesmo frente às novas e sucessivas tecnologias que promovem acima de tudo o conforto humano.

Quanto mais fácil, rápido e confortável, melhor. Em consequência, essa comodidade favorece o sedentarismo, muito embora a tecnologia não seja responsável de fato pelo sedentarismo de ninguém.

Quando me perguntam sobre sedentarismo e qual a melhor maneira de evitá-lo, eu costumo iniciar a resposta com poucas palavras: o hábito do exercício físico.

Os hábitos são a essência do comportamento. Portanto, desde criança as pessoas deveriam se habituar a praticar exercício físico. Correr, andar de bicicleta, caminhar, andar de skate, praticar outros esportes… Enfim, tudo o que estiver ao alcance da criança favorece a criação de hábitos que naturalmente se solidificarão em comportamentos perenes.

Quanto mais avançar a idade, mais sacrificante será para a pessoa criar novos hábitos e comportamentos. É fácil enquanto criança manter o peso e criar mecanismos contra o sedentarismo. Habituar a criança a comer alimentos saudáveis e se exercitar constantemente são as diretrizes desse caminho.

A questão é que isso só é possível com o envolvimento dos pais através do exemplo das atitudes. Quem estimula a prática dos exercícios e quem compra os alimentos são os pais.

Pais que praticam exercícios físicos com as crianças e de alguma forma as estimulam, possivelmente estão garantindo um comportamento ativo na adolescência e contribuindo de maneira significante para que esse estilo de vida se estenda pelo resto da vida.

Não há nada de determinismo, mas criação e solidificação de hábitos que se transformarão em comportamentos duradouros. Deixar as crianças crescerem sem exercício físico é abrir a porta para o comportamento sedentário.

O comportamento sedentário é difícil de ser modificado, pois esse promove facilidade e conforto, mesmo que de uma forma superficial, porém muito atraente para nosso cérebro que nos impulsiona sempre para a economia de energia.

Em resumo, criança com peso ideal e fisicamente ativa são os objetivos para se evitar o sedentarismo do futuro e todas as suas consequências. Mas lembre-se, um grande passo para essa verdadeira conquista é seguir o velho ditado popular: o exemplo vem de cima!

Fonte: Vya Estelar – http://www2.uol.com.br/vyaestelar/psicologiadoesporte.htm (Renato Miranda)

UIRAPURU-MT ENVIA ATLETAS PARA REALIZAR TESTE EM TIME DA REGIÃO PAULISTA


Alguns atletas da categoria sub14 e sub15 da Associação Atlética Uirapuru estarão viajando nos próximos dias para fazer testes em time da região paulista, as chances de muitos deles serem aprovado é muito grande, pois já receberam uma pré-avaliação durante o campeonato realizado em Palotina/PR no mês de janeiro deste ano. Recentemente 3 (três) atletas do Uirapuru foram aprovados em clubes como Portuguesa Santista e o São Paulo Futebol Clube onde já estão atuando como atletas desses clubes.

VEM AÍ A CORRIDA DE RUA “SENHOR BOM JESUS DE CUIABÁ”


 

A prefeitura municipal de Cuiabá promoverá a XXV Corrida Pedestre “Senhor Bom Jesus de Cuiabá”, com percurso de 10km, inscrição serão limitado. A Equipe “Digoreste Runners” estará representada por seu dois atletas

« Previous entries