Archive for abril, 2010

Copa Master, para que?


Por Mauro Vallim

Todo ano é realizado em Cuiabá um evento esportivo onde a principio seria uma forma de homenagear nossos ex-jogadores de futebol, pelo menos eu entendia que era está à grande idéia do torneio. Com o passar dos anos o evento foi se tornando algo mais grandioso, que indiretamente os clubes foram sendo obrigados a fortalecer seu elenco master. Nestes últimos torneios, tem-se notado que as coisas tomaram outra direção, pois os grandes clubes da baixada já não contam mais no elenco com a maioria dos seus ex-atletas, pelo menos  hoje a maioria são ex-profissionais de nível nacional, que jamais tiveram passagem por qualquer clube da nossa baixada cuiabana. O que da a entender que o evento se tornou comercial, e muito rentável, além de promover alguns empresários e políticos da região, também fortalece a marca do grupo responsável pela realização do evento.

Por isto acredito que esta Copa Master, como é chamada, já não tem mais sentido, não segue os princípios para qual foi criado.

Este evento, por mais que atrai uma boa quantidade de pessoas deixou de ser um atrativo regional, pois raramente encontramos com nossos ex-jogadores nos gramados. Se o foco da Copa é investir no futebol da baixada que então sejam priorizados os garotos, as bases dos clubes e não ao contrário. Mato Grosso precisa é de jovens talentos, de investimento em atletas regionais, valorização dos nossos clubes e oportunidades para que o futebol do nosso estado cresça e tome um rumo diferente do que vem acontecendo atualmente.

Que nossos  clubes, entidades publicas e principalmente os empresários tome consciência da importância de valorizar os nossos jovens atletas, não só do futebol como de outras tantas modalidades, só assim estaremos dando um grande passo para o crescimento do nosso esporte e conseqüentemente dando oportunidades aos nossos jovens.

Aparelho ajuda cientistas a ‘enxergar’ gordura dentro do corpo


 

Imagem mostra como a gordura se distribui no organismo

 

Um estudo realizado na Grã-Bretanha está fornecendo imagens inéditas para que cientistas analisem com mais precisão os efeitos do excesso de gordura no organismo.

Graças a um aparelho especial de ressonância magnética, que permite realizar imagens do corpo inteiro de um paciente, o painel interdisciplinar que realiza a pesquisa pode visualizar com clareza o depósito de gordura em torno de órgãos vitais de pessoas acima do peso.

“Esse tipo de imagem mostra como a gordura se distribui pelo organismo, o que é fundamental para entender a relação entre a genética e os fatores ambientais na obesidade”, explicou à BBC Jimmy Bell, chefe do grupo de imagem metabólica e molecular do Imperial College, em Londres.

“Até agora a medição da quantidade de gordura no organismo era feita de maneira indireta, através de recursos como a bioimpedância ou o cálculo do Índice de Massa Corpórea (IMC).”

Problemas de saúde
O estudo, iniciado há dez anos e financiado pelo Medical Research Council britânico, pretende ajudar especialistas em obesidade a desenvolver uma metodologia para ajudar seus pacientes a lutar contra o problema.

“Combinando o conhecimento sobre a genética, a distribuição da gordura e o estilo de vida do paciente, o médico poderá sugerir menos mudanças de hábito e medidas mais eficazes para ele perder peso”, disse Bell.

O acúmulo de gordura em torno de órgãos como o coração, o fígado e os pulmões, por exemplo, pode levar a problemas cardíacos e respiratórios.

Mas o estudo sugere que a gordura instalada em outras partes do corpo, como abdômen, joelhos, pés, pescoço e bacia pode incentivar o surgimento de problemas como câncer, artrite, infertilidade, depressão, dificuldades de locomoção, dores de cabeça e varicose, entre outros.

Para Bell, no entanto, o desafio de se usar a ressonância magnética para acompanhar pacientes obesos está no preço do equipamento. “É algo muito caro. Muitos hospitais públicos têm apenas um e uma fila enorme para usá-lo”, disse. “Idealmente, para fazermos o acompanhamento necessário seria preciso pelo menos uma sessão de ressonância por ano.”

“De qualquer maneira, a obesidade já é um grande consumidor dos recursos públicos de saúde na Grã-Bretanha e vai continuar sendo para várias seguradoras em todo o mundo”, concluiu.
Fonte: http://noticias.terra.com.br

Importância do relógio biológico


Mauro Vallim

Longa matéria na televisão mostrou estudos que estão sendo feitos na Inglaterra, EUA e Canadá sobre o relógio biológico do ser humano. Descobriu-se até onde fica no corpo o tal relógio biológico. Ele é a base para quase tudo que fazemos ou deixamos de fazer em nosso cotidiano. Tento reproduzir o que se mostrou ali.

1. Estudos feitos com adolescentes mostram que, por causa do relógio biológico da idade, há um ganho de 10% no aprendizado deles se estudassem não tão cedo. O melhor seria colocá-los a estudar entre 11 horas da manhã até as 16 horas.

2. Para os que têm problemas coronarianos ou pressão alta o melhor seria fazer exercícios à tarde e não pela manhã. O relógio biológico funciona mais nesse horário e que a pressão arterial poderia diminuir de 10% a 15% se o exercício for feito à tarde. Diminuiriam os remédios. Também mostraram que a viscosidade do sangue é maior pela manhã do que à tarde. Acham que os problemas do coração são mais agudos naquele horário. Tudo por causa do tal relógio biológico.

3. Para se tratar melhor o câncer, incluindo quimioterapias, o mais sensato é encontrar o melhor momento do dia para cada paciente de acordo com seu relógio biológico. Usar a força do próprio corpo para combater o câncer. Com isso morrem menos células sadias na quimioterapia.

4. No esporte provam que os maiores recordes do mundo foram quebrados à tarde ou à noite. Que o atleta rende muito mais quando se descobre como funciona o relógio biológico de cada um deles.

5. Não se deve ter alimentação pesada à noite. Esta, diz o relógio biológico, foi feita para dormir e não se empanturrar. Comer à noite aumenta a glicose e suas consequências. Disseram que a pessoa deve se alimentar pela manhã como um rei, almoçar como um príncipe e jantar como um mendigo.

6. Provaram o óbvio para quem vive nos trópicos que se tem sono depois do almoço, que 20% dos acidentes de carro ocorrem nessa hora. E que não adianta doses de café, ar fresco, é o relógio da gente que determina isso.

7. Outra descoberta óbvia para quem pratica esse esporte é que o álcool é mais aceito a partir do início da noite. O relógio biológico estaria mais “relaxado”. Beber na hora do almoço ou à tarde daria sono. Beber à noite até certa hora não dá sono, dá euforia.

8. Nas pessoas que trabalham à noite encontraram mais câncer e outras doenças. Seria uma atividade contra o relógio biológico.

9. O sono é a grande base do estudo. Cada ser humano, de acordo com seu relógio biológico, tem o seu horário. Estão estudando o sono nas pessoas mais velhas que é mais fragmentado. Estudaram os que têm o mal de Alzheimer, onde o sono é pior ainda porque o relógio biológico deles estaria mais “cansado”. Aumentaram a quantidade de luz onde eles vivem. Mais luz reativou o relógio biológico deles. Fato que ajudou a melhorar seu sono, depressão, alimentação e até o humor. Melhor que remédios.

Os estudos em andamento apontam que se deve trabalhar e produzir em consonância com o relógio biológico de cada um e não contra ele. Senão tudo será mais difícil. Até mesmo para a saúde.

Fonte: Noticias Terra

Estudo: dormir pouco ou demais prejudica a saúde


Não é só a falta de sono que pode provocar problemas de saúde, mas também dormir demais, segundo uma pesquisa realizada pela University of Warwick e pela University College London, ambas na Grã-Bretanha. O estudo examinou o padrão de sono e as taxas de mortalidade de 10.308 funcionários públicos britânicos.
Eles descobriram que aqueles que diminuíram as horas de sono durante a noite de sete para cinco horas, tinham dobrado o risco de sofrer um problema cardiovascular fatal em relação aos que mantiveram uma rotina de dormir sete horas por noite. O risco dos que reduziram o sono foi semelhante ao dos que aumentaram o período de sono para ao menos oito horas diárias.

A pesquisa, que deverá ser apresentada durante um encontro da Sociedade Britânica de Estudos do Sono, foi baseada em dados coletados entre 1985 e 1988 e novamente entre 1992 e 1993. Os pesquisadores levaram em consideração possíveis fatores como idade, sexo, estado civil, grau de emprego, tabagismo e atividades físicas.

Eles consideraram esses fatores para isolar o efeito que as mudanças em padrões de sono em um período de cinco anos tiveram sobre as taxas de mortalidade entre 11 e 17 anos depois. Entre os que diminuíram o número de horas de sono, o número de problemas cardiovasculares fatais dobrou, enquanto o risco de morte em geral aumentou 1,7 vez.

“Menos horas de sono e maiores níveis de distúrbios de sono se tornaram comuns nas sociedades industrializadas”, afirma o pesquisador Francesco Cappuccio. “Esta mudança, em larga escala resultado da redução de sono para criar mais tempo para o lazer e para o trabalho em turnos, significou que os relatos de fadiga, cansaço e sono excessivo durante o dia são mais comuns do que há poucas décadas”, diz o pesquisador.

Segundo ele, “o sono representa o processo diário de restituição e recuperação biológica, e a falta de sono tem efeitos de longo alcance”. Curiosamente, porém, os pesquisadores também descobriram que os indivíduos que aumentaram seu período de sono para oito horas ou mais por noite aumentavam em duas vezes ou mais a chance de morrer em relação aos que não haviam mudado seus hábitos.

Cappuccio disse que a falta de sono havia sido ligada a um risco de aumento no ganho de peso, pressão alta e diabetes do tipo 2. Porém ele disse que a ligação entre muito sono e problemas de saúde é menos clara, apesar de sugerir que a permanência na cama por períodos longos poderia ser um sinal de problemas como depressão ou, em alguns casos, a fadiga relacionada ao câncer.
“Nossas descobertas indicam que dormir consistentemente cerca de sete horas por noite é o melhor para a saúde, e uma redução sustentada pode predispor a problemas de saúde”, diz o pesquisador. Para Neil Stanley, especialista em sono do Hospital Universitário de Norwich e Norfolk, o estudo comprova a importância de dormir o número necessário de horas para manter a boa saúde.

Ele adverte, porém, que a necessidade de sono é “como a altura ou o tamanho do sapato: cada um tem o seu”.

fonte: terra noticias

Perigo ao permanecer sentado por longo tempo


Um estudo que está sendo publicado na edição de abril da revista Diabetes Care, alerta para o perigo de um indivíduo ficar por muito tempo sentado. A pesquisa feita por cientistas da Austrália, na Universidade de Queensland, mediu a intensidade da atividade física de 168 pessoas por sete dias. Eles pesquisaram quanto de exercício era feito de moderado a vigoroso até o tempo de total de sedentarismo.

Constataram que aqueles que ficam sentado mas que fazem pequenos intervalos durante o tempo em que permanecem nesta posição e se levantam por algum tempo, tem menos barriga, menos gordura na massa corporal e baixos níveis de triglicerídeos e glicose no sangue.

Os cientistas comprovaram que o ato de ficar muito tempo sentado sem se movimentar é tão perigoso quanto o ato de fumar e comer comidas gordurosas as chamadas junk foods. E foram mais longe ao afirmar que não adianta você ficar malhando por um a hora se o resto do tempo você vai ficar sentado.

Mas a boa notícia é que limpar a casa ou fazer até pequenas caminhadas dentro de casa ou ao falar ao telefone, enfim se movimentar em casa, pode ajudar em muito. No escritório é a mesma coisa. O fato é não ficar sentado em demasia. Movimentar – se com moderação e de forma constante, nem que seja por pouco tempo.

A vida sedentária é uma arma e desencadeia inúmeras doenças, disseram os cientistas. Estudos desenvolvidos pelo professor David Dunstan, do Instituto Internacional de Diabetes, dos EUA, está mostrando que quanto mais tempo se passar na frente de uma aparelho de TV aumentam os riscos de desenvolver problemas cardíacos e de diabetes.

Já o professor Marc Hamilton, da Universidade de Missouri, nos EUA, destaca que há uma série fatores bons para a saúde se a pessoa ficar mais tempo em pé, do que o próprio exercício em uma academia por até 1 hora. Quanto mais tempo a pessoa ficar em pé, evidentemente com moderação, maiores serão os seus benefícios no controle da taxa metabólica e na queima de calorias. Existe um programa na Austrália, denominado Stand Up Austrália que está estudando mais profundamente, as melhorias de se permanecer em pé por mais tempo.

No estado da Saxonia, na cidade de Neumark, na Alemanha, na escola Mittelschule, as crianças assistem algumas aulas de pé num púlpito. As carteiras-púlpito foram criadas para manterem uma postura melhor na escola das crianças, evitando complicações futuras como a hérnia de disco. Segundo uma teoria de um pedagogo, o ficar de pé sobre uma superfície suave, ativa os músculos e determinadas áreas do cérebro, melhorando sua circulação através de leves movimentos.

Com as novas carteiras-púlpito as crianças deverão ter aumentados o seu consumo de calorias. Os movimentos mesmo que brandos como ficar de pé, significam maior queima de calorias, do que simplesmente ficar sentado. Escolas da Áustria e da Suíça encomendaram também as novas careiras.

Dança pode melhorar modo de andar e equilíbrio de idosos


Patricia Zwipp
 

A dança não é apenas uma forma de diversão e de praticar uma atividade física. De acordo com duas pesquisas realizadas por profissionais da Universidade de Missouri, dos Estados Unidos, pode melhorar o equilíbrio e o modo de andar de idosos, o que diminui o risco de quedas e seus prejuízos.

A equipe utilizou um programa de terapia que inclui uma combinação de passos de dança de baixo impacto coreografados com música. Na análise mais recente, os benefícios foram constatados após 18 sessões de dança oferecidas ao longo de dois meses. Os participantes ainda relataram vontade de continuar a atividade.

Em 2008, Jean Krampe e outros cientistas da Universidade de Missouri conduziram um estudo piloto em conjunto com Alexian Brothers Community Services (programa que atende a idosos). Mais da metade dos 11 voluntários relatou melhorias em relação à forma de andar e ao equilíbrio.

Segundo o site Science Daily, a terapia baseada em dança utilizada nas análises foi criada por Shelley Lebed Davis e seus dois irmãos, que buscavam melhorar a amplitude de movimento e animar a mãe que estava se recuperando de um câncer de mama. Depois dos resultados bem-sucedidos, compartilharam a propostas com os hospitais.

Especial para Terra

É possível perder barriga sem perder peso?


Pergunta de uma leitora

Sou magra mas tenho barriga. Como faço para perdê-la sem perder ainda mais peso? Isso é possível?

Resposta: Infelizmente a perda de gordura não se dá de forma localizada. As gorduras localizadas em “pontos críticos”como abdome, parte interna da coxa, nas laterais das costas, (que são na mulher, locais geneticamente mais propensos ao acúmulo de gordura e portanto mais difíceis de serem eliminadas) só desaparecerão emagrecendo e esse emagrecimento vai sempre ocorrer de forma geral.

Solução: exercícios aeróbios bem planejados e alimentação balanceada

O que se pode fazer, quando você já está no seu peso ideal, é um trabalho de emagrecimento, com exercícios aeróbios bem planejados, uma alimentação balanceada evitando açúcares e gorduras e para não ficar com braços e pernas “muito finos”(como muitas vezes acontece quando a pessoa emagrece mais do que queria) compensar com um trabalho de aumento de massa magra na musculação.

Lembrando, os exercícios localizados abdominais, não vão fazer você perder gordura nessa região. Eles vão fortalecer a musculatura do abdome e ajudar no aumento do gasto calórico total.

 

Simone Sarti
é personal trainer com pós-graduação em fisiologia do exercício (USP)

Como cuidar da voz


Busquei algumas informações referentes à saúde da voz

Todas as pessoas precisam usar a voz quase que o tempo todo em suas vidas. Ela é um poderoso instrumento para se comunicar com o mundo e, devido a essa importante função, precisa de cuidados como qualquer outra parte do corpo. De forma científica, a voz é o som produzido na laringe através da vibração das cordas vocais, que realizam este movimento graças ao fluxo de ar que vem dos pulmões e a força de sua musculatura. Depois de ser produzido, este som vai ser modificado pelas estruturas acima da laringe. O resultado é a voz que ouvimos saindo pela boca.

Relaciono abaixo algumas dicas e alertas importantes para se manter as cordas vocais em dia:

1. Evite Gritar: o ato de gritar é extremamente prejudicial para a voz. As cordas vocais fazem movimentos muito bruscos e em maior velocidade. O grito deve ser evitado e utilizado em casos de perigo ou sobrevivência;

2. “Sprays”, Pastilhas e “Drops”: esse tipo de produto tem um efeito semelhante ao álcool, além disso, podem ter efeito irritativo;

3. A automedicação: é uma prática constante entre os indivíduos, principalmente os disfônicos, que sempre têm uma “receita caseira” para melhorar a voz. No entanto isto deve ser evitado porque há substâncias que comprometem e prejudicam a produção de voz. Portanto, se estiver com algum problema, procure um médico.

4. Competição sonora: pode desencadear uma alteração vocal, uma vez que em ambientes ruidosos é preciso que eleve, de forma inadequada, a intensidade de voz para podermos ser entendidos;

5. Choques térmicos: quando temos uma mudança brusca de temperatura, seja ela ambiental ou na ingestão de alimentos ou bebidas excessivamente quentes ou geladas, há uma diminuição das defesas naturais do organismo. Essa diminuição dos mecanismos de defesa fará com que nosso corpo tenha uma possibilidade maior de adquirir problemas inflamatórios.

6. Alimentação: para uma produção de voz adequada é fundamental ter uma alimentação saudável e equilibrada;

7. Sono: Dormir bem é excelente para todo organismo e, conseqüentemente, para a voz. Os sintomas de cansaço vocal desaparecem.

8. Atividades físicas/Esportes: É preciso ficar claro que durante a prática dos exercícios físicos falar não é apropriado e nem indicado, porque ocorre um aumento na força do fechamento das pregas vocais. No entanto há atividades que auxiliam no processo de adequação vocal porque ajudam no relaxamento da musculatura, principalmente na região do pescoço e ombros. As atividades indicadas são aquelas de baixo impacto como caminhadas. ioga, entre outros;

9. Hidratação: a laringe tem de estar sempre bem hidratada para que ocorra uma vibração livre e com atrito reduzido das cordas vocais. Para que isto ocorra, devemos beber muito líquido, principalmente água em temperatura ambiente.

10. Informação: Procure se informar sobre sua voz sempre com um especialista, seja um fonoaudiólogo ou um otorrinolaringologista.

Circuito de corridas da CAIXA – calendário


Porque pessoas desistem de academia


O início do ano é uma época em que todo mundo, de uma forma ou de outra faz planos, entre eles o de voltar a fazer exercício físico que sem dúvida nenhuma o melhor lugar ainda é os espaços próprios como as academias de ginástica.

Lá, espera-se encontrar atividades variadas, equipamentos modernos e eficientes, profissionais habilitados e competentes, áreas arejadas e limpas, estacionamento fácil, preço compatível e principalmente bom atendimento.

Qualquer pessoa ao tomar uma atitude como a de fazer atividade física envolve um fator primordial que é a motivação vinda de dentro (intrínseca) e a influência externa (extrínseca). Para que haja sucesso os dois componentes devem se completar. Ou seja, o sujeito que faz a matrícula numa academia já recebeu a primeira dose de motivação simplesmente porque ninguém foi lá na casa dele busca-lo. Logo, todo matriculado é um cliente com potencial para permanecer por muito tempo. A partir daí passa a contar a influência externa de como esse cliente vai ser tratado e quais são os artifícios que os profissionais irão usar para ele não desistir a começar pela secretaria. A arte de conquistar clientes deve ser treinada. Ele quer receber todas as informações verdadeiras. Não adianta “enfeitar o pavão” prometendo “mundos e fundos” porque a verdade aparece muito rápido. Depois de conhecer a academia é hora das avaliações funcionais. A verdade deve ser dita sem promessas de milagre. Algumas pessoas têm mais dificuldades de emagrecer e/ou ganhar massa muscular e outras não. Se o cliente vem com uma fantasia corporal criada pela mídia que ele não pode alcançar isso, com muito jeito deve ser dito já na avaliação. Um profissional que faz várias avaliações todos os dias tem essa habilidade além saber incrementar outro fator extrínseco que é a meta viável que o cliente deve perseguir na academia coerente com as intenções, interesses e motivos que o levaram para lá

Em seguida é hora da ação. A atividade física deve ser sugerida de acordo com o perfil, a personalidade e gosto do cliente. Por exemplo, um sujeito muito ativo, irrequieto e comunicativo pode ser encaminhado para as atividades coletivas como a ginástica localizada, o jump, o ciclismo indoor ou mesmo as danças que têm um forte apelo social. Já o quieto, tímido e inibido pode ir para a musculação. O importante é despertar o prazer de fazer a atividade física sedimentando ainda mais a motivação que ele já trouxe de casa. Fazendo uma analogia com o namoro, no começo a gente só vê as qualidades.

O reconhecimento social, os elogios certos nos momentos oportunos e a premiação fazem parte da motivação externa. Ou seja, o resultado esperado começa a aparecer, mas de uma forma natural sem “puxa-saquismo”. O cliente não é burro e não adianta dizer para ele uma coisa que não é real. Cada desilusão pode levá-lo pouco a pouco à desmotivação. Também como no namoro a cada mentira ou enrolação a relação vai esfriando. 

A permanência do cliente dentro da academia depende de vários fatores, mas o que pesa mais ainda é o professor da atividade escolhida. É dele a tarefa de mantê-lo motivado estabelecendo um vínculo cada vez mais forte com as metas pessoais que são refeitas a cada nova conquista. Com isso cria-se a empatia e uma espécie de dependência entre professor o programa e o cliente.

Por conta disso, é de se esperar que rotatividade de professor também gere rotatividade de clientes. Empresários sem capacidade de manter seus professores não conseguem fidelizar clientes. São os que pagam pouco, atrasam pagamento, não oferecem um plano de carreira atrelado a cursos completados pelos professores, elogiam pouco, dão broncas demais, insistem em explorar mão de obra barata trocando constantemente sua equipe, não ouve os funcionários entre outros desmandos. Aí reclama do cliente.

Vários trabalhos podem ser encontrados na Internet mostrando os motivos que levam clientes abandonarem a academia é rotatividade de professores, espaço físico desconfortável e pouco ventilado, falta de higiene nos aparelhos e/ou equipamentos e por último preço. Atividades como ciclismo indoor, por exemplo, deve ter um funcionário pronto para limpar as bicicletas antes de começar outra aula assim como os colchonetes da ginástica localizada. Clientes não saem da academia por causa do preço e sim por ser incompatível com o serviço oferecido.

Fonte: http://www.copacabanarunners.net/academia.html

« Previous entries