Archive for março, 2010

Veja o volante da Ferrari e conheça as funções à disposição de Alonso e Massa


Gráfico feito por jornalista italiano reproduz com fidelidade os instrumentos

GLOBOESPORTE Rio de Janeiro

Felipe Massa e Fernando Alonso têm à disposição 26 instrumentos nos cockpits da Ferrari. As opções vão desde a regulagem da mistura de combustível até ajuste do torque do motor e o programa de aquecimento de pneus.

Confira cada uma dessas funções no gráfico abaixo, desenhado pelo jornalista Giorgio Piola. O italiano se baseou no volante do espanhol Fernando Alonso, mais largo e posicionado mais próximo do corpo do que o usado pelo brasileiro Felipe Massa.

LESÕES – CRIOTERAPIA / TERAPIA DO GELO


A crioterapia (terapia do gelo ou utilização do gelo nas lesões) é muito utilizada nas afecções traumáticas, principalmente nas lesões músculo-esqueléticas. Ela pode ser chamada de uma modalidade terapêutica, já que é muito utilizada nas reabilitações e na MEDICINA ESPORTIVA.

A “terapia com gelo” tem como objetivo reduzir a dor, o espasmo muscular, fluxo sanguíneo local e regional, diminuir o metabolismo, causar uma hipóxia secundária, diminuir o processo inflamatório, reduzir edema, entre outros. A utilização do gelo nas lesões é muito antiga, dizem que antes de Cristo, o gelo já era utilizado para “analgesia”.

Usadas há anos no tratamento das lesões esportivas, as compressas de gelo vêm sendo cada vez mais aceitas como um importante aliado na prevenção de dores e na melhor recuperação muscular após o treinamento.
Se você sentir alguma dor durante o treino ou realmente se lesionar, fazer uma entorse de tornozelo ou um estiramento muscular, por exemplo, não tenha dúvida: faça uma compressa de gelo o mais rápido possível. A aplicação imediata do gelo diminui o metabolismo local, detendo o extravasamento do edema. Um edema sem controle, acumulado, aumenta a extensão da lesão, aumenta a dor, o espasmo muscular e a inibição da musculatura. Conseqüentemente, retarda o processo de cicatrização.

Como aplicar?

Utilize o gelo picado dentro de um saco plástico, envolto por uma proteção de pano fininho (pois o gelo pode queimar a pele), durante 15 a 20 minutos. De preferência, deite-se com o membro lesionado em elevação acima da linha do coração e comprima levemente o gelo para facilitar a drenagem e absorção do edema. De qualquer forma, não deixe de procurar um atendimento especializado para fazer um diagnóstico e ser encaminhado a um tratamento mais completo.
Mesmo que você não tenha se lesionado, a aplicação local de gelo vale a pena. Quem já não viu as famosas piscinas de gelo em provas de triatlhon?! Então, mesmo que o atleta não esteja lesionado ou não sinta dor, o gelo (local, em piscina, banheira ou tonéis) se torna extremamente importante na recuperação pós-treinos ou competições

Gelo ou Calor?

As aplicações do calor ou do frio são recursos valiosos na prática da fisioterapia. As terapias com o calor (termoterapia) e com o frio (crioterapia) não levam à cura de nenhuma enfermidade, porém, são instrumentos importantes que auxiliam no tratamento de várias patologias ortopédicas e neurológicas. São recursos sintomáticos, que quando aplicados adequadamente, reduzem o espasmo muscular e a sintomatologia dolorosa, preparando a região afetada para a aplicação das técnicas terapêuticas.
Utilização do calor:
*Alivia a dor
*Aumenta a flexibilidade dos tecidos músculo-tendíneos
*Diminui a rigidez das articulações
*Melhora o espasmo muscular
*Melhora a circulação

A aplicação do calor promove alteração das propriedades físicas dos tecidos que compõem os tendões, cápsulas articulares e cicatrizes, melhorando suas respostas ao alongamento. Pode ser usado para um relaxamento muscular, por exemplo, em tensões, rigidez muscular.
Contra-indicação: Não aquecer regiões do corpo que estiverem anestesiadas, edemaciadas, inflamadas, feridas com sangramento, em áreas onde haja tumores, sobre os testículos, sobre o abdome de gestantes ou em áreas do corpo de pessoas inconscientes.

Utilização do gelo “crioterapia”:

*Diminui o espasmo muscular
*Alivia a dor
*Nos traumatismos (entorses, contusões, distensões musculares, etc.), previne o edema e diminui as reações inflamatórias
A quantidade de aplicação depende da lesão e o grau da mesma
Obs.: Há vários tipos de distúrbios onde o calor e o frio produzem efeitos semelhantes. O espasmo muscular que acompanha a hérnia de disco, lombalgias, cervicalgias, e problemas articulares podem ser reduzida por esses dois processos, tanto com calor quanto com o gelo.

Fonte de consulta: WEB RUN
Fisioterapeuta de Triathletas David Homs

É possível ganhar músculos sem usar anabolizantes?


“… o ganho de massa muscular irá acontecer sempre que você estiver treinando adequadamente para esse objetivo; pois cada objetivo (emagrecimento, aumento de massa muscular, definição, etc ) exige um programa de exercícios diferente em número de séries, repetições, intensidade, volume e etc” Resposta: Vamos definir anabolismo: São processos metabólicos que implicam na construção de moléculas, a partir de outras. Por exemplo, síntese de proteínas, síntese de ácidos graxos, síntese de hormônios.

Então quando você se alimenta adequadamente, ou quando você descansa após um treino, você anaboliza, porque você se recupera, se reconstrói. O termo anabolizar é estimular o crescimento, assimilar, construir. Pode se considerar anabolizantes, a alimentação, o sono, suplementos nutricionais, etc.

Ao que você se refere, são os esteroides anabolizantes. Esses são drogas sintéticas, fabricadas para substituírem o hormônio masculino quando necessário em determinadas patologias. Elas ajudam no crescimento dos músculos (efeito anabólico) e das características masculinas (efeito androgênico). São drogas ilícitas e só devem ser vendidas com indicação médica. Infelizmente, são usadas indiscriminadamente, como forma de potencializar o aumento da massa muscular nos programas de hipertrofia, mesmo sabendo sobre as graves consequências e riscos.

Com relação à sua pergunta, o ganho de massa muscular irá acontecer sempre que você estiver treinando adequadamente para esse objetivo; pois cada objetivo (emagrecimento, aumento de massa muscular, definição, etc ) exige um programa de exercícios diferente em número de séries, repetições, intensidade, volume e etc; juntamente e especialmente combinados com alimentação adequada, se necessário, uma suplementação e sono suficiente.

O que não podemos deixar de lembrar, é que cada indivíduo tem seu grau de aumento de massa muscular determinado geneticamente. Portanto, uns são mais favorecidos nesse sentido, outros menos.

Fonte: Vya Estelar

Simone Sarti
é personal trainer com pós-graduação em fisiologia do exercício (USP)

Verdadeira palhaçada alvinegro


A DIRETORIA DO MIXTO É UMA VERGONHA, FALTA SERIEDADE E PROFISSIONALISMO NO CLUBE

 – – – – – >FORA CAMBADA DE INCOPETENTES <- – – –

                   “PORQUE NINGUEM É PALHAÇO”

Princípios elementares para o treinamento físico com objetivos não competitivos


A elaboração de qualquer plano de treinamento destinado para adultos com o objetivo de realizar uma atividade física para manter a boa forma, sem um enfoque competitivo, requer, por parte de quem elabora este plano, um conhecimento profundo do grupo para o qual este treinamento é dirigido e de suas características fundamentais.

Como elemento básico basta mencionar o fato de que todo indivíduo com a idade de 40 anos ou mais, tendo ou não fatores de risco coronarianos, deve submeter-se a um exame médico completo, antes de iniciar qualquer programa de atividade física.

A grande difusão do esporte competitivo tem gerado uma importante consciência social a respeito dos benefícios da atividade física na saúde, mas devemos nos manter atentos e evitar extrapolar os princípios que regem a atividade de treinamento de quem busca baixar tempos e alcançar o máximo de rendimento e daqueles que buscam a atividade física com objetivos lúdicos e de preservação da saúde.

Os programas de atividade física sem finalidade competitiva compreendem todas as práticas físico-desportivas que, sem buscar o máximo de rendimento das qualidades trabalhadas, contribuem para a criação de hábitos de vida mais saudáveis (modificação da dieta, redução ou abandono de hábitos tóxicos) que tendem a melhorar a saúde.

Abordada sob este ângulo a prática esportiva não tem limite de idade nem de sexo, depende simplesmente da associação do programa de treinamento às características particulares de cada indivíduo, segundo os princípios que regem o treinamento.

Princípios que Regem o Treinamento

Princípio da relação ótima entre esforço e descanso

Baseia-se na necessidade de uma pausa para a recuperação muscular após uma sessão de treinamento.

O tempo necessário dependerá de fatores como o caráter da atividade física (qualidade física trabalhada, volume, intensidade, duração, etc.) e do nível de treinamento do indivíduo. Quanto maior for este último, menores podem ser as pausas de recuperação.

Se não for respeitado o período adequado de recuperação, pode ocorrer uma sobrecarga. Isto se caracteriza pela realização de nova sessão de treinamento físico antes que o organismo da pessoa se encontre totalmente preparado para tal, em outras palavras, na fase de desequilíbrio (o tempo de recuperação adequado permite que o corpo alcance novamente um ponto de equilíbrio necessário para a realização de nova sessão de treinamento). Ao ser desrespeitado o tempo de recuperação adequado entre as sessões, produz-se uma diminuição descontrolada do rendimento e portanto, da forma física do indivíduo.

O segredo do treinamento consiste em “adaptar primeiro, desacostumar depois, para enfim voltar a adaptar-se e assim alcançar, no grande ciclo anual de treinamento, os níveis iniciais dos picos de maior rendimento.” Fazendo isto, há a possibilidade de desenvolvimento de uma adaptação no ano seguinte, em um melhor nível de performance em cada uma destas etapas.

Princípio de adaptação à idade

A resposta que cada indivíduo pode dar ao treinamento físico está intimamente relacionada à sua idade biológica.

Nas etapas médias da vida, a atividade pode ser livremente orientada segundo as características e preferências de cada um, mas é fundamental saber atender as pessoas nas idades “extremas”. Assim, na infância as atividades devem ser orientadas para o desenvolvimento da coordenação, uma etapa fundamental no aprendizado. Na terceira idade a atividade física buscará evitar o retrocesso da coordenação e do condicionamento físico geral.

Princípio da carga contínua de treinamento

O conceito de carga contínua de treinamento refere-se à sucessão continuada dos exercícios.

É de importância fundamental a continuidade e a regularidade do estímulo. Uma vez que isto seja cumprido, a melhora no condicionamento físico e os efeitos benéficos serão mais visíveis.

A divisão da carga de treinamento em três ou quatro dias na semana é a melhor forma de treinamento. Assim o trabalho apresentará resultados mais harmônicos e equilibrados. Especialmente quando se comparam pessoas que realizam atividades desta forma com aquelas que realizam atividades físicas somente durante os fins de semana dedicando várias horas a uma única atividade e mantendo-se inativos durante o resto da semana.

Princípio da carga crescente

Este princípio se baseia no fato de que o indivíduo se adapta aos estímulos de treinamento e, à medida que estes não são incrementados, deixam de produzir novas adaptações e o progresso do treinamento é interrompido. O aumento da carga de treinamento se realiza em função de duas variáveis:

Carga = Volume x intensidade

A progressão da carga deve ser feita em função de um ou outro parâmetro, sendo aconselhável que a princípio o aumento seja em função do volume e depois em função da intensidade.

Quando se trata de crianças e adolescentes, o aumento da carga deve ser avaliado e administrado de maneira muito cuidadosa e progressiva já que pode produzir alterações das estruturas músculo-esqueléticas por sobrecarga das mesmas.

A relação entre aumento da carga de treinamento e melhora do rendimento do indivíduo não é linear, por isso as cargas de trabalho devem ser revisadas e ajustadas periodicamente.

Princípio da eficácia do estímulo

O estímulo de carga ou treinamento que recebe o indivíduo deve superar um determinado limite para que se produza uma melhora do estado físico. Este limite é determinado pelo nível de treinamento do desportista em questão. É por isso que os planos de atividade física devem ser o mais individualizado possível, e adaptados para a pessoa a quem se destina este plano.

Se o estímulo é eficiente, produz-se um desequilíbrio no estado físico do indivíduo. Durante o período de recuperação o estado físico estará abaixo de seu limite por causa do cansaço. Uma vez que a recuperação esteja completa, passa-se à fase de supercompensação no qual ocorre um aumento do limite; o novo limite é agora maior do que o limite inicial. Isto é o que ocorre quando a atividade física apresenta resultados positivos.

Devemos considerar que os princípios de treinamento são imprescindíveis quando se objetiva elaborar planos de treinamento competitivo, nos quais o objetivo é a obtenção de um maior rendimento do desportista. Estes tópicos não devem ser esquecidos no caso de treinamento não competitivo, já que são elementos que permitirão dar coerência ao trabalho realizado e obter os resultados mais proveitosos e eficientes para quem os pratica.

Programas de Treinamento

Dando continuidade, veremos os princípios básicos de treinamento da resistência através da atividade aeróbica orientados a partir dos diferentes grupos.

Programa de treinamento para iniciantes

Destinado para sedentários ou pessoas com baixo nível de resistência.

O tempo total de treinamento de resistência deve estar ao redor de 60 minutos. A intensidade da carga deve ser ao redor de 50% da capacidade cardiovascular máxima. A duração da carga deve variar entre um mínimo de 10 a 12 minutos e um máximo de 30 minutos. A freqüência do treinamento deve estar entre duas sessões semanais (30 minutos de duração) a cinco sessões semanais (12 minutos de duração).

Para pessoas sedentárias este programa pode estar intenso. Nestes casos recomenda-se trabalhar com intensidades menores, mas aumentando o volume de trabalho para 45 minutos a 1 hora de caminhada ativa por dia. Outra possibilidade é o fracionamento do trabalho com intervalos que chamamos de descanso ativo (não ficar quieto, sem caminhar) que irão sendo reduzidos à medida que o treinamento vai melhorando.

As características deste programa atendem às recomendações do Colégio Americano de Medicina Esportiva (American College of Sports Medicine) no que se referem à exercícios de desenvolvimento e manutenção muscular e cardio-respiratórios em adultos saudáveis.

Programa de treinamento com base ótima
Destinado a pessoas que têm mantido uma regularidade no treinamento de resistência, o que permite trabalharem em um nível mais elevado.

A carga semanal pode variar entre duas e quatro horas. A intensidade da carga pode ser de cerca de 70% da capacidade cardiovascular máxima. A duração da carga por sessão variará entre um mínimo de 30 minutos e um máximo de 60. A freqüência de treinamento será de três a seis sessões por semana.

Qualquer que seja o nível em que se trabalhe, é fundamental a regulação da intensidade do trabalho. Isto pode ser feito controlando-se a FC (freqüência cardíaca) durante um minuto para que se calcule qual a porcentagem da freqüência cardiovascular máxima na qual o trabalho está sendo realizado. A fórmula mais aceita para o cálculo da mesma é a seguinte: FC máx = 220 – idade.

Fonte: Boa Saude – www.boasaude.com

Conselho de medicina vê irregularidades em consultórios de terapia ortomolecular


Produtora visitou clínicas e mostrou como funciona o tratamento.
Conselho Federal de Medicina e especialistas contestam práticas.

Do G1, com informações do Fantástico

No início deste mês, entraram em vigor novas regras do Conselho Federal de Medicina para a especialidade ortomolecular.
A reportagem do Fantástico visitou quatro clínicas para verificar como é a conduta dos profissonais da especialidade que está “na moda”.

 
As promessas de combate ao envelhecimento, de mais disposição física e até de emagrecer atraíram muita gente. “Está na moda. Estou fazendo dieta ortomolecular. Já fiz 80 vezes. Você bota lá e eles dizem que você está com deficiência disso ou daquilo”, diz a cantora Preta Gil.

“Eu já utilizei a medicina ortomolecular, inclusive quando isso virou uma febre. Até hoje eu tomo vitamina C, tomo ferro”, comenta a cantora Ivete Sangalo.

Sintomas 

Nas quatro clínicas visitadas, a produtora do Fantástico contou histórias parecidas: desânimo, queda de cabelo, problemas de memória, noites mal dormidas, depressão. Para sintomas iguais, houve diagnósticos diferentes.

“Isso pode ser ou deficiência de vitamina C ou de taurina, que é um aminoácido que está presente na carne”, disse um profissional. “Isso daí é deficiência de iodo”, atestou outro.

 “Provável processo degenerativo crônico em andamento”, comentou um médico. “Isto indica uma leve sobrecargazinha nos rins e no fígado”, disse uma terapeuta.

Sangue

Para chegar a essas conclusões, um mesmo exame: o da gota de sangue. O teste não tem comprovação científica e é vetado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). “Isso aqui é um cristal de colesterol com uma cândida em cima”, aponta um terapeuta.

 O Fantástico mostrou as imagens para um especialista em doenças do sangue. “Ele pode chamar aquilo do que ele quiser, mas não corresponde a uma infestação por cândida. Isso não é visualizado dessa maneira através de um exame como esse, muito menos em cima de um cristal de colesterol. As pessoas que têm cândida circulante no sangue estão gravemente doentes”, explica o hematologista Daniel Tabak.

 “Está vendo que tem umas bolinhas aqui dentro das hemácias? Chama micoplasma. É um fungo bem comum de aparecer. Ele aumenta muito a vontade de comer doce”, diz a terapeuta.

O hematologista rebate: “Micoplasma, na verdade, não é um fungo, é uma bactéria. E ela não pode ser visualizada dessa maneira. Sem dúvida nenhuma, não existe nenhuma associação entre o aparecimento de micoplasma e o desejo de comer doce.”

Radicais livres

Em outro consultório, surge uma expressão comum no mundo ortomolecular: radicais livres. “Radical livre são esses buracos brancos”, diz a terapeuta, formada em Administração de Empresas.

O Fantástico mostrou as imagens para o cardiologista Francisco Laurindo, que estuda radicais livres no Instituto do Coração (Incor), em São Paulo.

 “Posso dizer que os pontos brancos muito provavelmente correspondem a reflexos. A luz reflete na superfície da célula, e aquilo tem uma certa luminosidade, como se fosse um espelho, e ele reflete e promove esses reflexos brancos”, explica o cardiologista.

Radicais livres são partes invisíveis de moléculas. Eles são produzidos na respiração e circulam naturalmente pelo corpo. São muito instáveis. Precisam reagir com alguma coisa.

“[Ao reagir] causam danos às células, desencadeando doenças, causando o próprio envelhecimento e a morte das células”, explica o professor de bioquímica da USP e da Unifesp, Etelvino Bechara.

Origem

Estima-se que existam, no Brasil, seis mil médicos adeptos da medicina ortomolecular ou biomolecular, como ela também é conhecida. Essa medicina, que tem como foco o combate aos radicais livres, foi criada por um químico.
 
“Ortomolecular foi fundada por um grande pesquisador, duas vezes prêmio Nobel, doutor Linus Pauling”, conta José de Felippe Júnior, presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Biomolecular.

O surgimento dessa especialidade ocorreu nos anos 1960. A medicina ortomolecular só chegaria com força ao Brasil quase duas décadas depois, defendendo que um organismo saudável é um organismo quimicamente equilibrado e que esse equilíbrio poderia ser atingido usando-se altas doses de vitaminas.

 As vitaminas, também chamadas de antioxidantes, atacam os radicais livres e, portanto, poderiam retardar o envelhecimento.

“Existe muita controvérsia sobre o fato de se a ingestão de doses altas desses antioxidantes vai, de fato, prevenir uma doença e ajudar você a controlar seu envelhecimento ou seu estado de saúde”, afirma Etelvino Bechara.

Novas regras

O Conselho Federal de Medicina reconhece a medicina ortomolecular, mas faz ressalvas.

 “É uma prática que tem uma ação terapêutica muito eficaz e com valor cientifico em determinadas circunstâncias em parâmetros estabelecidos, mas não dentro dessa busca de envelhecimento, de antienvelhecimento, como hoje é proposto de maneira muito ampla dentro da sociedade brasileira”, afirma Carlos Vital Correa Lima, vice-presidente do Conselho Federal de Medicina.

 No início deste mês, entraram em vigor novas regras do Conselho Federal de Medicina para a medicina ortomolecular. Além de proibir o exame da gota de sangue, elas limitam o uso de um outro teste típico dessa modalidade: o exame do fio de cabelo.
 
“A gente pega um pouquinho de fio de cabelo e manda para os Estados Unidos. Eles mostram todos os minerais que estão deficientes, todos”, disse uma terapeuta.
 
O vice-presidente do Conselho Federal de Medicina diz que esse exame não é válido. “O exame do fio capilar e o exame do dedo, da gota, não devem ser feitos. Não têm valor científico”, afirma
 
Legumes, frutas e verduras

A nova resolução do Conselho Federal de Medicina também determina: altas doses de vitaminas e minerais, só se o paciente tiver falta dessas substâncias no organismo. Fora isso, basta se alimentar direito.

“Essa é a mensagem que, na verdade, tem sido transmitida pela comunidade médica e pela comunidade de químicos e bioquímicos que trabalham com radicais livres: consumam legumes, frutas e verduras”, diz o professor Etelvino Bechara.
 
Anestésico e soro

A produtora do Fantástico não saiu dos consultórios só com receitas de vitaminas e minerais. Recebeu também a indicação de procaína, um anestésico.

“Se você quiser a procaína, que no seu caso é indicado, isso é bem rápido, porque a proteína é bem antioxidante”, diz a terapeuta.

O Fantástico procurou o dono do consultório onde uma bióloga indicou a procaína. Ele é dono de cinco clínicas.

 “A procaína nós usamos para tudo aquilo que se é permitido. Por exemplo, a procaína inibe uma enzima que provoca aquelas depressões leves. Essa é uma das funções que nós usamos aqui a procainoterapia. E também como antioxidante”, diz o médico Eduardo Gomes de Azevedo.

“Aplicação de procaína como uma medicação antioxidante e de rejuvenescimento não está permitida. Não tem valor científico”, rebate o vice-presidente do Conselho Federal de Medicina.

Em uma clínica no Rio, outra indicação: soro com água oxigenada na veia para desentupir veias e artérias. “A gente faz o gotejamento do soro na veia. O peróxido de hidrogênio vai entrando e vai limpando tudo. Traduzindo, água oxigenada. Aí você pode reparar que, quando acabar a primeira, você olha no espelho e verá que você ficou mais branca”, diz o atendente.

“É para uso externo, não é para uso interno. (…) Isso só na imaginação desse indivíduo”, afirmou o hematologista Daniel Tabak.

Problemas espirituais

Foi nessa mesma que o médico, dono de quatro clínicas em dois estados, atribuiu os sintomas de nossa produtora a problemas espirituais.

“A sua mãe ou a sua avó materna frequentaram espiritismo”, perguntou o médico. “O senhor está vendo no meu sangue que eu tive contato com espiritismo ou a minha família?”, questiona a produtora.

“Isso eu não descobri em livro, não. Isso é uma descoberta minha”, ele respondeu. “Mas o que o espiritismo tem a ver com meu sangue e com o processo degenerativo?”, insistiu a jornalista.

“Só dá isso nesses casos. Essas coisas só dão nesse caso. Tem duas cores que você não pode usar: nem marrom nem preto. Você vai dizer: ‘Pô, além de médico, o cara é maluco!’. Mas preto e marrom são a cor do ocultismo”, concluiu.

A produtora recebeu uma receita para vários remédios – todos vendidos na própria clínica. O tratamento custava R$ 3,1 mil por mês.

De acordo com o vice-presidente do Conselho Federal de Medicina, a prática é ilegal. “Não pode oferecer, não pode comercializar produtos, medicamentos em seu consultório. Configura-se como prática de farmácia e isso é vedado pelo código de ética e por lei”, afirmou Carlos Vital Correa Lima

A reportagem voltou a procurar o médico Carlos Carvalho. Ele disse que vai mudar a conduta. “Ou eu cumpro o que o conselho manda, ou eu vou perder o meu diploma. Então, eu vou cumprir. Mesmo discordando, eu vou cumprir”, afirmou.

A venda de remédios no consultório também é praticada pela terapeuta de São Paulo. “Não sou médica. Eu sou terapeuta ortomolecular. Estudei cinco anos, sou professora de ortomolecular. O médico de ortomolecular ele só tem CRM. (…) A sua terapia em quatro meses fica em R$ 1,9 mil. Você pode pagar em quatro vezes. Aí eu vou fornecer o que você precisa. Não vende em farmácia”, disse a terapeuta.

 Testes em laboratório

O Fantástico levou esses remédios para um laboratório credenciado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para testar se os produtos, de fato, continham aquilo que o rótulo informa. 
Alguns produtos tinham uma descrição tão genérica no rótulo que nem foi possível testá-los. Já um complexo de vitaminas foi examinado. Ele continha o que o rótulo dizia: milionésimos de gramas de vitaminas, que é a dose diária recomendada dessas substâncias.

“Se a pessoa se alimenta bem, de acordo, não haveria necessidade. Não há nenhuma evidência que este tipo de prescrição cause benefício terapêutico”, afirma o médico responsável pelo laboratório, Gilberto de Nucci.

Procurada pelo Fantástico, a terapeuta Maria Pieroni disse apenas o seguinte: “Eu estou fazendo uma coisa totalmente legal, não estou fazendo nada ilegal. Não tem por que eu ficar dando entrevista”.

Para José de Felippe Júnior, presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Biomolecular, a terapia ortomolecular chegou no Brasil “um pouco com o pé quebrado”.

“Fizeram propagandas indevidas. Por isso, eu uso biomolecular. Agora, eu respeito a ortomolecular do início, do Linus Pauling, uma molécula certa no lugar certo”, diz Júnior.

“Como em qualquer comunidade, existem indivíduos sérios que têm uma vontade de ajudar o paciente e que acreditam profundamente naquilo que estão fazendo, mesmo no caso da medicina ortomolecular. E há o outro extremo, que são casos praticamente criminais de indivíduos que eventualmente nem médicos são, que estão aplicando procedimentos sem a menor base”, afirma o cardiologista Francisco Laurindo, que estuda radicais livres no Instituto do Coração (Incor), em São Paulo.

Assista o video no link   http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,,MUL1539051-5598,00.html

Fonte: globo.com

IMPORTANCIA DA FLEXIBILIDADE


A  flexibilidade é de suma importância  na realização de determinados gestos desportivos e movimentos que de outra forma, seriam impossíveis de serem realizados sem essa capacidade física. Ela aumenta  a eficiência mecânica dos movimentos, fazendo com que o atleta tenha um desperdício menor de energia na execução de suas atividades, além de auxiliar na profilaxia de lesões e dos vícios posturais, reduzirem as tensões musculares e auxiliar na melhoria da contratilidade muscular.

COMO ALONGAR-SE

  1. Aqueça-se antes de começar a alongar;
  2. Nunca prenda a respiração durante os exercícios;
  3. Faça o alongamento gradativamente;
  4. Nunca ultrapasse o ponto de dor ou desconforto;
  5. Relaxe durante a execução, não faça contrações musculares;
  6. Mantenha-se nas posições durante 30 segundos, no mínimo;
  7. Realize alongamentos, antes, durante e depois dos exercícios;

TIPOS DE ALONGAMENTO

Os exercícios para o ganho da Flexibilidade são denominados alongamentos. O alongamento pode ser de dois tipos, dependendo do modo de execução e intensidade :

  • Alongamento Passivo
  • Alongamento Ativo.

TEMPO DE EXECUÇÃO

Cada  exercício de alongamento deve ter a duração de, no mínimo, 30 (trinta) segundos para que os fusos musculares possam relaxar. Exercícios com menor duração,  não terão o efeito desejável e você estará perdendo tempo !!!  Reserve, no mínimo, 15 (quinze) minutos do seu treinamento diário para os alongamentos e você obterá um grau de flexibilidade adequado.

PRINCIPIOS DO ALONGAMENTO

  • Respiração: é fundamental para o alongamento. Quando se respira fundo, aumenta-se o relaxamento muscular. A respiração é que dá o ritmo dos exercícios e deve ser feita lenta e profundamente – expire quando estiver alongada. Pare o movimento se a respiração começar a apresentar alguma dificuldade.       
  • Limites: esticar-se demais pode causar lesões nos músculos, tendões ou ligamentos. Se começar a sentir dor durante o exercício, é sinal de que está exagerando no movimento. Nesse caso, volte imediatamente para uma posição mais confortável.             
  • Mobilidade: com o músculo esticado, fique sem se mover por alguns segundos. O movimento de vai-e-vem acabaria enrijecendo e encurtando os músculos que você está se esforçando para alongar.              
  • Naturalidade: não se preocupe em alongar seus músculos até o limite. Aprendendo os movimentos corretos, você vai ganhando flexibilidade aos poucos, de acordo com a evolução do seu corpo.             
  • Freqüência: regularidade e relaxamento são os ingredientes mais importantes para um bom alongamento. Se você começar a se alongar de duas a três vezes por semana, vai ficar mais ativa e entrar em forma rapidamente.

EXERCICIO DE ALONGAMENTO

 ALONGAMENTO DAS COSTAS

Mantenha-se apoiado na altura da cintura com os braços estendidos. Incline-se para frente à partir do quadril até que eles façam um ângulo de 90 graus e seu tronco esteja paralelo ao chão. Abaixe as costas até sentir o alongamento nos músculos dorsais. Mantenha as costas retas.

ALONGAMENTO DOS TRÍCEPS

Em pé, com o quadril encaixado, flexione um dos braços atrás da cabeça, com a mão apoiada nas costas. Com a outra mão, pressione o braço flexionado para baixo. Mantenha a posição por trinta segundo e execute o mesmo exercício com o outro braço.

ALONGAMENTO DOS OMBROS

Cruze os braços na frente do corpo, cotovelos para fora e nivelado com os ombros. Pressione seu cotovelo direito em direção ao ombro oposto.

ALONGAMENTO DO PEITO

Afaste os pés na largura do quadril. Cruze os dedos atrás das costas, mantendo os cotovelos levemente fletidos. Puxe as mãos para cima.

ALONGAMENTO DO BÍCEPS

   Em pé, com o braço estendido na posição horizontal em uma parede, apóie a mão e comece a alongar o braço. Force o corpo contra a parede para aumentar o alongamento.

ALONGAMENTO DA PANTURRILHA

De pé, incline-se para frente contra a parede com um joelho flexionado para frente, deixando a outra perna estendida. Mantenha o pé de trás em contato com o solo. Os pés devem ficar voltados para frente. Repita o movimento com a outra perna.

ALONGAMENTO QUADRÍCEPS

Apóie-se numa superfície vertical, para manter o equilíbrio. Flexione um joelho e eleve o calcanhar até o glúteo, sem comprimir excessivamente o joelho. Repita o movimento com a outra perna. 

ALONGAMENTO DOS GLÚTEOS NA PAREDE

De pé, flexione um dos joelhos e deslize o calcanhar na direção dos glúteos. Segure o joelho com a mão do mesmo lado e o tornozelo com a mão oposta.

ALONGAMENTO PANTURRILHA

Apóie seu pé num degrau, ou rampa. Solte o peso do seu corpo. A outra perna deve servir de apoio. Flexione até sentir o alongamento completo da panturrilha.

ALONGAMENTO DOS MÚSCULOS ADUTORES  

De pé, com as pernas ligeiramente afastadas, flexione um dos joelhos, estendendo a perna contrária. Apóie suas mãos sobre os joelhos. Observe que quanto mais flexionar os joelhos, mais você sentirá o alongamento.

Saiba mais sobre Vacina H1N1 Data e Calendário Campanha Vacinação Gripe 2010


Vacina H1N1 – Data e Calendário Campanha Vacinação Gripe 2010: Para os cidadãos do País inteiro, fiquem sabendo que já iniciaram as campanhas para orientar a população sobre a vacinação contra a gripe pandêmica, essas campanhas começaram no ultimo dia 4 quinta feira, e tem previsão para ir até o dia 14 de Março, serão distribuídos cerca de 100 mil cartazes e 1 milhão de folders com as datas referentes em que cada grupo deverá receber as doses, além do reforço das medidas de prevenção que os brasileiros devem adotar no dia-a-dia.

A Campanha Nacional de Vacinação contra gripe H1N1 começará no dia 19 de Março de 2010, sendo que a campanha será realizada em cinco etapas contra o vírus H1N1 que ocorrerão em todos os municípios do Brasil, as doses da vacina já chegaram a muitos estados, sendo recebidas mais de 170 mil doses da vacina para a primeira etapa, 30 mil somente para Porto Alegre, sendo que a estimativa do governo é que sejam vacinadas cerca de 127 mil trabalhadores da saúde e 20 mil indígenas.

Para vocês leitores que estão em dúvida sobre quem será vacinado contra gripe h1n1 em 2010, fique sabendo que a Organização Mundial da Saúde – OMS, recomenda a imunização de trabalhadores de serviços de saúde, indígenas, gestantes e pessoas com doenças crônicas, sendo que no Brasil a vacinação foi ampliada para outros três grupos, sendo crianças de 06 meses a menos de 2 anos de idade e adultos saudáveis de 20 a 29 anos e de 30 a 39 anos de idade.

As fases/etapas da campanha contra gripe h1n1 consistem em realizar a vacinação para certos grupos, organizados pelos responsáveis por cada município, sendo que entre o dia 8 e 19 de Março, onde serão vacinados apenas indígenas e profissionais de saúde, sendo que as etapas serão realizadas de forma organizada para os públicos específicos, fiquem atentos para as datas que serão mencionadas no final da nossa matéria para que vocês sejam devidamente vacinados e imunizados contra o vírus H1N1.

Preparamos para vocês caros leitores, o calendário de vacinação contra gripe a influenza H1N1 2010, segue a lista com as datas para que os grupos de pessoas sejam devidamente imunizados contra o vírus H1N1.

• Dia 08 de Março a 19 de Março – Profissionais de Saúde e Indígenas
• Dia 22 de Março a 21 de Maio – Gestantes.
• Dia 22 de Março a 02 de Abril – Doentes Crônicos, exceto idosos e crianças de 06 meses a           02 anos.
• Dia 05 de Abril a 23 de Abril – Jovens de 20 a 29 anos.
• Dia 24 de Abril a 07 de Maio – Idosos com mais de 60 anos com doenças crônicas.
• Dia 10 de Maio a 21 de Maio – Pessoas de 30 a 39 anos.

CAFÉ E SAÚDE – Café: uma xícara de prazer e de benefícios para a saúde


O nobre do sabor
Café: uma xícara de prazer e de benefícios para a saúde

O médico-pesquisador, o Dr. Darcy Roberto Lima, professor do Instituto de Neurologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e coordenador científico da área de Café e Saúde da Associação Brasileira da Indústria de Café(ABIC) fala sobre o assunto e diz que a história do café deveria virar disciplina escolar

Além de prazeroso e de significar uma pausa gostosa no dia-a-dia, quebrando a rotina profissional ou doméstica, saborear de três a quatro xícaras de café diariamente pode trazer inúmeros benefícios para a saúde de jovens e adultos, além de ajudar na prevenção de várias doenças e problemas. É o que afirma o médico-pesquisador, o Dr. Darcy Roberto Lima, professor do Instituto de Neurologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e coordenador científico da área de Café e Saúde da Associação Brasileira da Indústria de Café(ABIC). O professor pesquisa há mais de uma década os benefícios do café na saúde, inclusive participando de estudos em parceria com centros médicos como a Universidade de Vanderbilt (EUA) e o Instituto do Coração, em São Paulo.

Ele foi um dos palestrantes da 10ª Edição do Agrocafé, que se encerra nesta quarta-feira, no Gran Hotel Stella Maris, em Salvador, na Bahia.

Segundo Lima, o café não é remédio, isto é, não cura doenças. Entretanto, pode ser um agente a mais que ajuda na prevenção de vários males e problemas. Pesquisas médicas mostram que o café pode prevenir a depressão e o suicídio, mas pacientes com esse sintoma e idéias suicidas precisam de atendimento médico especializado, pela gravidade da doença, que é perfeitamente tratável com grande sucesso com medicamentos e terapia cognitivo-comportamental. “Pacientes alcoólatras também precisam de tratamento médico e, nesse caso, o consumo de café ajuda a manter a remissão do alcoolismo, evitando um grave problema desse mal, a cirrose. O café melhora a atenção, concentração e o aprendizado escolar, sendo a bebida mais recomendada para estudantes de todas as idades, em casa e na merenda escolar”, ressalta.

De acordo com o professor, estudos mostram também que o café pode atuar na prevenção do câncer de cólon e reto, doença de Parkinson e outras conforme a lista abaixo:

Efeitos atribuídos ao café
– Café aumenta o estado de alerta (vigília)
– Café ajuda e estimula o córtex pré-frontal
– Café ajuda a memória a curto prazo ( aprendizado)
– Os anti-oxidantes do café (ácidos clorogênicos) ajudam na remoção dos radicais livres reduzindo o estresse oxidativo nos tecidos
– Café reduz o risco de alcoolismo e cirrose hepática
– Café reduz o risco de desenvolvimento de diabetes do adulto
– Café previne cálculo da vesícula biliar
– O consumo de café esta inversamente relacionado com o desenvolvimento de
doenças neuro-degenerativas como Parkinson e Alzheimer
– O café protege contra o câncer de cólon, fígado, mama , pele e outros
– O café possui atividade anti-inflamatória e protetora sobre o sistema cardiovascular
– O café possui atividade antagonista opióide (bloqueia o desejo por álcool, tabaco, drogas)
– O café possui um discreto efeito anti-obesidade
– O café aumenta a performance durante o exercício prolongado (em atletas
treinados)
– O café ajuda no alívio dos sintomas de asma
– O café ajuda a prevenir a depressão e o suicídio

O vício

Com relação à dependência ou vicio do café, Lima afirma que a cafeína não é uma droga e nem é viciante. “Por isto foi excluída da Lista de Substancias proibidas pelo Comitê Olímpico e pela Agência Mundial Anti-Drogas – wada ( www.wada.org) . Vício é uma dependência prejudicial ao organismo, como o álcool, a morfina. O café não possui apenas cafeína e o seu consumo é um hábito saudável como o exercício. Sua falta – ou seu excesso – é sentida pelo organismo.

A maioria das pessoas que toma café diariamente ignora quais são as substâncias que estão presentes no café e pensa que o café contém apenas ou, principalmente, cafeína. Grande engano! O café possui apenas de 1% a 2,5 % de cafeína e diversas outras substâncias em maior quantidade. E estas outras substâncias podem até ser mais importantes do que a cafeína para o organismo humano. O grão de café (café verde) possui Minerais, como potássio (K), magnésio (Mg), cálcio (Ca), sódio (Na), ferro (Fe) e manganês (Mn); Aminoácidos como alanina, ácido glutâmico, glicina, histidina e isoleucina; Lipídeos como triglicerídeos e ácidos graxos livres;e Açúcares como sucrose, glicose, frutose, arabinose, galactose, maltose e polissacarídeos. 

Adicionalmente, o café também possui uma vitamina do complexo B, a niacina (vitamina B3 ou vitamina PP de “Pelagra Preventing” do inglês) e, em maior quantidade que todos os demais componentes, os ácidos clorogênicos, na proporção de 7% a 10 %, isto é, 3 a 5 vezes mais que a cafeína. Após a torra, os ácidos clorogênicos formam diversos quinídeos que possuem vários efeitos farmacológicos, como aumento da captação de glicose (efeito antidiabético), ação antagonista opióide (efeito antialcoolismo) e inibidora da recaptação da adenosina (efeito benéfico na microcirculação)”, explica.

 Relação com doenças

A cafeína chegou a ser vinculada ao câncer, pressão alta, úlceras, problemas cardíacos, defeitos de nascimento e condições nervosas, mas a maioria dos resultados desses estudos não confirmam as alegações. O médico-pesquisador disse durante entrevista que devido ao grande consumo de bebidas com cafeína, e à ocorrência crescente de alguns tipos de câncer, chegou-se a pensar anteriormente que essa substância pudesse ser incluída na lista de produtos cancerígenos. “Na década passada, a cafeína foi vinculada a uma maior ocorrência de câncer das vias urinárias inferiores, como câncer renal ou da bexiga.

Outros estudos levantaram a suspeita de que o consumo de bebidas com cafeína poderia ser responsável pelo aparecimento do câncer de pâncreas. Entretanto, foi confirmado mais tarde que todos os estudos incriminadores da cafeína eram inadequados, incompletos e insatisfatórios, não sendo possível, na atualidade, atribuir relação alguma entre a ocorrência de qualquer tipo de câncer e a ingestão de bebidas que contém cafeína, devido à realização recente de estudos mais criteriosos, onde foram evidenciados a total segurança e ausência de riscos para o consumidor de cafeína e um possível temor de desenvolver qualquer tipo de câncer. 

Uma extensa revisão da literatura permite afirmar de forma definitiva que não existem bases científicas para associar o consumo de cafeína com a doença fibrocística da mama, apesar da ignorância de muitas pessoas ainda aceitarem este equívoco como verdadeiro. Modernos estudos epidemiológicos sugerem que o consumo moderado e regular de café (que não possui apenas cafeína) possam atuar na prevenção do câncer de cólon, fígado, próstata e mama”, alerta.

Altas doses

Questionado se tomado em altas doses, o café pode provocar algum mal. Dr. Darcy Lima, afirma que tudo em excesso pode fazer mal. “As críticas ao consumo de cafeína em quantidades moderadas são completamente infundadas, mas ainda arraigadas ao limitado conhecimento de pessoas desinformadas. Em quantidades moderadas – o equivalente a 400-500 mg/dia – dose de até 4 xícaras – a cafeína não é prejudicial à saúde humana, desde a gestação até o final da vida. A administração aguda de cafeína causa um aumento modesto da pressão sangüínea arterial, dos níveis de catecolaminas, da atividade de renina plasmática, dos níveis de ácidos graxos livres, da produção de urina e da secreção gástrica.

Ela altera o espectro eletroencefalográfico, o humor e o padrão do sono em voluntários normais. O consumo crônico de cafeína não possui efeitos na pressão sangüínea, nos níveis plasmáticos de catecolaminas, na atividade de renina plasmática, na concentração de colesterol no soro, nos níveis de glicose no sangue ou na produção de urina. A cafeína não está associada com o infarto do miocárdio, nem com o câncer do trato genitourinário inferior ou do pâncreas; com teratogenicidade ou doença fibrocística da mama.

O papel da cafeína na produção de arritmias cardíacas ou de úlcera gástrica ou duodenal em pessoas normais também não foi confirmado, não havendo evidências de que a cafeína seja prejudicial ao ser humano sadio.  Apesar do consumo de café e chá ser antigo, as pesquisas que avaliam os efeitos do café no homem são recentes. Cerca de uma centena de produtos químicos foi identificada no café, sendo algumas, como o ácido clorogênico, até mais abundantes que a cafeína. A cafeína é o elemento do café mais estudado até o momento, e o principal responsável pelas propriedades estimulantes que deram a popularidade à bebida. Mas seu consumo moderado não é prejudicial ao organismo”, afirma.

Já com relação à restrição, Lima diz que o café é uma bebida saudável para pessoas saudáveis. “Doenças como úlcera, gastrite, arritmias, ansiedade e pânico, podem ser contra-indicações para o consumo de café. Embora o café seja um produto natural e não cause doenças em pessoas saudáveis quando consumido de forma diária e moderada (até 4 xícaras grandes para adultos e a metade da dose para crianças, preferencialmente com leite), o café pode causar efeitos indesejáveis em algumas pessoas.

Existem alguns que naturalmente não gostam de café, uma questão pessoal, mas também existem pessoas normais e saudáveis que são mais sensíveis aos efeitos de um dos compostos do café, a cafeína, as quais podem apresentar ansiedade, tremores, insônia e mesmo um quadro de pânico.  O café quando tomado a noite pode prejudicar o sono da maioria das pessoas, sendo por isto uma bebida diurna. O café consumido moderadamente (4 xícaras diárias) não causa doenças em pessoas normais e saudáveis, da infância à velhice.

Mas pessoas que possuem doenças – como gastrite, doença do refluxo gastroesofágico, úlcera péptica, transtorno de ansiedade generalizada, transtorno do pânico, palpitações devido arritmias cardíacas, hipertensão arterial ou doença isquêmica do coração – devem ter cuidado no consumo de café, pois ele pode agravar os sintomas ou a doença, principalmente se consumido em excesso. Por isto, toda pessoa que possua qualquer doença mental, cardíaca, gástrica ou outras, deve consumir café com moderação, e preferencialmente após ouvir os conselhos de seu médico. Caso sinta qualquer intolerância ao café, deve parar de consumi-lo”.

Disciplina Escolar

Para Lima, a história do café deveria ser uma disciplina escolar. Muitos não sabem que o café é uma fruta. Ele destaca o programa “Café na Merenda, Saúde na Escola” – um programa de cunho educativo e científico, e tem como objetivo difundir entre os estudantes tanto a importância do café como cultura econômica e social, quanto divulgar os benefícios que propicia à atividade intelectual, ao aprendizado escolar e à prevenção de doenças. “A base do projeto é a inclusão do café com leite na merenda e no lanche oferecido pelas escolas.

Conforme demonstram estudos científicos, o café estimula o sistema de vigília, a atenção, a concentração e pode ajudar no aprendizado escolar. Além disso, é uma bebida energética natural e que não engorda, não contribuindo, portanto, para o alarmante problema da obesidade infanto-juvenil”, afirma, dizendo que ficou provado que a criança que toma café tem menos peso que a criança que toma refrigerante.

Benéfico à saúde

“O consumo diário e moderado de café (4 xícaras diárias ) não causa nenhum prejuízo ao organismo humano saudável e ajuda na prevenção de um grande número de doenças. Por isto, o café é a mais natural e saudável das bebidas disponíveis para consumo humano”, finaliza.

Fonte: http://www.revistacafeicultura.com.br

MUDE SEU CORPO CORRENDO


Mas preste atenção a alguns detalhes que fazem toda a diferença. Confira!

Está querendo eliminar aqueles quilinhos extras? Que tal apostar, então, na corrida? Além de provocar mudanças visíveis no corpo em pouco tempo, esse esporte é prático e econômico: você vai gastar pouco; afinal, basta um bom par de tênis, shorts e camiseta. 

É possível notar diferenças no corpo já nas quatro primeiras semanas de corrida. As principais mudanças são o aumento da capacidade cardiovascular e da disposição e o ganho de condicionamento físico. Além disso, correr auxilia no aumento da força dos membros inferiores, ou seja, você vai ficar com pernas e bumbum durinhos.

Segundo Mário Sérgio Andrade, diretor técnico e fundador da Run&Fun Assessoria Esportiva, de São Paulo, no início, muitas pessoas cometem erros durante o treino. “Tanto caminhar quanto correr precisam ser feitos na frequência cardíaca correta. De nada adianta caminhar três horas no parque com a frequência cardíaca baixa porque é o mesmo que passear no shopping; a pessoa não queima calorias”, explica.

O esporte não faz bem só à aparência física, mas à autoestima também. Segundo Mario Sérgio, durante a corrida o atleta coloca as ideias em dia e recebe mais oxigenação, que contribui para maior disposição para trabalho e estudos. Esses benefícios proporcionam uma agradável sensação de bem-estar. 

Mas, uma das grandes motivações das pessoas quando começam a correr é a perda de peso. No entanto, emagrecer só é possível se o atleta unir exercícios físicos a uma alimentação saudável. “Vale lembrar também que não se pode exagerar. O que conta realmente é o tempo da prática do exercício. Aumente aos poucos o ritmo, isso vai aumentar o processo metabólico. Em uma hora de corrida, a pessoa pode gastar aproximadamente 600 calorias, mas esse valor varia dependendo do metabolismo de cada um”, conclui Mário. 

Aproveite as temperaturas agradáveis do verão, acorde cedo, coloque uma boa música para tocar no seu MP3 e… corra! 

Fonte: www.terra.com.br  Especial Verão 2010

« Previous entries