Archive for fevereiro, 2010

Quer começar no triathlon?


Algumas dicas para quem pretende iniciar no triathlon

Treinar para um triathlon pode parecer demais ou “coisa de maluco” para alguém novo ao esporte. Você tem três modalidades esportivas para treinar – muitos tem facilidade em apenas uma delas – e ainda há a questão do tempo e hora para treinar tudo isso.

Encontrar um programa adequado e um bom treinador é a melhor maneira para começar seu programa de treinamento.

Descrevo, logo abaixo, alguns pontos importantes a serem seguidos por um iniciante ou novato em triathlon para que inicie seu treinamento:

1) Supervisão/Monitoramento: Como você pode não estar familiarizado com uma ou mais das 3 modalidades esportivas envolvidas, é importante ter um treinador lhe auxiliando. Ele poderá não apenas melhorar sua técnica como também sua performance. Motivação para aguentar a rotina e monitoramento dos resultados com feedback são outras vantagens.

2) Programa de Treinamento: Uma planilha de treinamento lhe permitirá visualizar seus objetivos, manter um planejamento e organizar seus treinos/horários de forma a interferir o mánimo possível em sua rotina diária. Um programa padrão possui diferentes níveis de esforço de forma a lhe permitir escolher o que melhor se adequa ao se perfil.

3) Flexibilidade: Família, trabalho e compromissos inadiáveis fazem parte de nossa vida e rotina, logo, o programa que você escolher deve permitir ajustes/remanejamentos que não alterem muito sua vida e também os objetivos estabelecidos.

4) Clinica: Seu programa de treinamento deve ser completo envolvendo não apenas as atividades físicas, como também: nutrição e equipamentos (desde bicicleta, vestuário e tênis de corrida). Toda esta informação lhe permitirá ter uma visão clara e abrangente das variáveis envolvidas durante uma prova, portanto, melhorarão os resultados.

5) Locais para Treinamento: Ter uma boa piscina para a natação e um local com boa pavimentação e seguro para a pratica da corrida e do ciclismo também são fundamentais no triathlon. Um bom programa de treinamento deve conter mais de um local de treinamento para evitar o desgaste emocional e a rotina.

6) Equipe: Se treinar uma modalidade esportiva já é difícil, imagine 3, e ainda sozinho. Isto mostra a import?ncia de se incluir em seu planejamento treinos em equipe e/ou grupos de mesmo n?vel para aumentar a motivação e trocar experiências. É verdade que adequar os horário de diferentes pessoas é tarefa difícil, mas tente fazer isso pelo menos uma vez por semana . . . no Sábado, por exemplo.

Treinar para seu primeiro triathlon não tem que ser uma experiência desagradável ou chata.

Se feito corretamente – observando algumas das dicas descritas acima, garanto que vai ser a melhor época de sua vida.

Fonte: http://www.ativo.com

O simples e o encantar


Por Claudinet Antônio Coltri Júnior

Muitas vezes ficamos atrás de coisas mirabolantes para podermos encantar as pessoas ou clientes. Quando estamos interessados em alguém, muitas vezes nos pegamos pensando em planos estratégicos (sem metodologia, obviamente) para sermos percebidos, ao menos olhados. Na hora da verdade (momento do encontro), nada dá certo. As pernas tremem, a pressão cai (ou sobe muito) e, no fim, se tudo der certo, vai ser de um jeito que a gente nem esperava.

Com as organizações acontece quase a mesma coisa. Ouvimos cada vez mais a regra do “encantar o cliente”. Muitas vezes essas empresas adotam a política Cebolinha (aquela dos planos infalíveis contra a Mônica que nunca dão certo). É prêmio pra lá, vantagens pra cá, mas, como diz o outro, na hora do “vamos ver”, na avaliação final, o resultado é pífio. Por que será?

Na verdade estamos perdendo a essência dos relacionamentos. Estamos padronizando o ser humano. Damos importância aos cargos, à vestimenta, à profissão e esquecemos, muitas vezes, que todos nós não passamos de meros seres humanos (embora alguns ainda tentem não atingir este patamar e, para isso, treinam a vida inteira para se colocar na posição de animal irracional). Quando fiz faculdade de odontologia, tinha um professor de endodontia (tratamento de canal) que dizia que a maior satisfação da vida dele era abrir o canal do dente das pessoas ricas e com posição social de status. Primeiro porque ele “lavava a égua” de ganhar dinheiro com elas. Depois e principalmente, segundo ele, porque o odor fétido saído do canal era o mesmo das pessoas mais humildes.

O fato é que as pessoas colocam máscaras quando estão sob a carcaça de seu cargo ou posição social. No fundo, todos nós tomamos banho, temos necessidades fisiológicas, precisamos nos alimentar, temos que dormir. Nada há de diferente. Fico muito intrigado nos aviões, por exemplo. As(os) comissárias(os) passam servindo as “maravilhas” de lanches, pratos e bebidas, servidas hoje em dia com a maior cerimônia. Falam a mesma coisa por mais de 40 grupos de poltronas (mais de vinte de cada lado). Toda uma formalidade que não faz mais jus nos tempos atuais. Acho que poderiam economizar a voz, até. Era só gravar a fala e, a cada vez que forem se dirigir a algum passageiro, basta apertar o play para ouvirmos: “o senhor aceita bebida? E o senhor, aceita?”.

Infelizmente isso não encanta mais ninguém. Precisamos parar de nos portamos no atendimento como robôs ou caixas eletrônicos. Aliás, a única diferença entre caixa eletrônico e o atendimento feito por uma pessoa é que aquele não tem vontade própria, de modo que nunca diz não a você por seu bel-prazer. O que está programado é feito, o que não está não se faz. Com gente, é diferente. Basta um pouquinho de poder e lá vem “não” pra cima de você.

Decididamente o encantamento não está nas “mirabolâncias”, mas na simplicidade. O ser humano precisa de afago, de uma mão amiga. Você não vai para o seu emprego para passar o dia cumprindo tarefas. As empresas existem porque seres humanos precisam daquilo que ela produz. Se você tem um emprego é porque alguém precisa do resultado do seu trabalho. Assim, o mais importante é ajudar o outro naquilo que ele precisa, dando-lhe atenção humana. O encantamento (ser lembrado sem estar presente) está no simples, no que é a essência, no detalhe que, como diz Roberto e Erasmo, permite que o tempo transforme todo amor em quase nada (e se é quase nada é porque ainda, vez ou outra, se é lembrado).

Assim, tire as máscaras, as armaduras, seja você o tempo todo. Seja humano. Encante com o que você tem de bom. Faça o simples, o essencial, estreite os laços. Faça o improvável que, de tão natural e porque ninguém faz, encanta. É mais ou menos o que diz Lula Barbosa na composição de Amauri Falabella, Brincos: “eu só visitei as estrelas pra te encantar, / eu só visitei as estrelas pra te contar / como era lindo o teu olhar / visto de lá”.

Claudinet Antônio Coltri Júnior é palestrante; consultor organizacional; coordenador da área de gestão da Educação Tecnológica do Univag e escreve em A Gazeta às quintas-feiras. Web-site: www.coltri.com.br – E-mail: junior@coltri.com.br – Twitter: http://twitter.com/coltri

Personal Trainer – Há para (quase) todos os bolsos



É fácil arrumar desculpa para deixar a ginástica para depois. Ora o tempo está curto demais, ora a academia fica muito longe de casa. Para quem tem o costume de usar esse tipo de pretexto para não se engajar de verdade numa rotina de exercícios físicos, personal trainer não é um luxo. É uma necessidade. Além da orientação individualizada, o instrutor particular tem a (árdua) missão de evitar que o aluno sucumba à preguiça. Ele se tornou uma figura tão presente que, nos últimos anos, tem sido alvo de diversos estudos. A conclusão de todos: o rendimento de quem treina sob a supervisão de um treinador particular costuma ser maior que o de quem se exercita sozinho. Um dos trabalhos mais recentes, conduzido por pesquisadores do Laboratório de Performance Humana da Ball State University, um importante centro de pesquisa sobre atividade física nos Estados Unidos, traz um dado revelador sobre a diferença que faz um personal trainer. Os alunos que tiveram seus treinos de musculação supervisionados por um instrutor particular ganharam, em média, 30% a mais de força na musculatura peitoral e nos tríceps, além de 25% a mais de força nas coxas, quando comparados aos malhadores solitários. Explica-se. Sob o cuidado constante do preparador físico, diminuem drasticamente os riscos de o exercício ser mal executado – e movimentos bem-feitos são garantia de bons resultados. Outra pesquisa, realizada em São Paulo, mostra que o aluno que tem um personal trainer se exercita quatro vezes por semana, em média. Já o que não tem costuma ir à academia apenas uma vez por semana.

Há dez anos, quando o trabalho dos personal trainers começou a ganhar força no Brasil, fazer exercício com o acompanhamento de um instrutor particular de ginástica era privilégio de atletas profissionais, modelos e artistas. Com a popularização desse tipo de serviço, o número de profissionais aumentou, os preços caíram e personal trainer deixou de ser luxo de ricos e famosos. Hoje, o preço de uma hora de ginástica individualizada varia de 60 a 120 reais. Antes a ginástica com personal trainer tinha de ser feita em casa ou ao ar livre. Atualmente algumas academias oferecem até salas separadas para os alunos que querem se exercitar sob os cuidados de um personal trainer. É preciso, no entanto, cuidado no momento de contratar os serviços de um instrutor particular. Das cerca de 20 000 pessoas que se auto-intitulam personal trainers no Brasil, apenas 1 000 estão realmente habilitadas para o trabalho. O bom treinador tem bons conhecimentos sobre fisiologia e nutrição. Em caso de dúvida, vale a regra: não merece confiança um personal que não faz uma avaliação física minuciosa de seu cliente.

Além do personal trainer, há outro tipo de preparador particular. É o consultor esportivo, um professor especializado em treinos mais puxados, como de corrida, bicicleta e natação. O acompanhamento feito por ele tende a ser mais amplo. Ele cuida de tudo: do programa de exercício até o acompanhamento psicológico do aluno. Um dos treinadores físicos mais requisitados do país é Marcos Paulo Reis. Seu expediente costuma começar às 5 e meia da manhã e nunca termina antes das 9 da noite. Só assim para dar conta de atender os 600 clientes de sua empresa. Sob seu comando estão de anônimos, como o empresário José Hugo Laloni, de 44 anos, a celebridades, como a modelo e apresentadora de televisão Daniela Cicarelli. Reis muda o programa de treinamento de seus alunos semanalmente. Além disso, está sempre à disposição deles, seja pelo celular, seja via internet. Na sua falta, seus assistentes dão conta do recado. Mais do que um consultor, Reis se define “um professor que pode ajudar as pessoas a ter uma vida melhor, por intermédio do esporte”.

Fonte: Veja – Edição Especial – Saúde & Forma Física

CORRIDA – O que você precisa saber


Um estilo de vida saudável, que inclui alimentação e a prática de exercícios, é capaz de prevenir doenças e retardar o que os médicos chamam de “relógio biológico” do envelhecimento. Hoje, mais do que nunca, atividade física faz parte de qualquer tipo de prescrição médica voltada a qualquer idade. Mas os médicos vão além. É consenso entre eles que o que você faz hoje (principalmente a partir dos 30 anos) resultará em uma velhice com mais ou menos qualidade de vida. A partir da terceira década para as mulheres e da quarta, para os homens, começa o processo de degeneração das células. Por isso, as pessoas precisam fazer atividade física para chegar à terceira idade saudáveis.
 
Para manter-se jovem a opção mais saudável é correr. É bom para o corpo e para a mente, não tem limite de idade para praticar e sempre é hora de começar (mas consulte um médico antes).
 
Correr é um esporte vicioso, pois traz um enorme bem estar e muitos benefícios. Colocamos abaixo tudo o que você precisa saber sobre corridas e dicas importantes para praticar este esporte.
 
Faça uma avaliação física antes de iniciar um programa de corrida. Não esqueça dos alongamentos antes e depois de correr, além de fazer um trabalho específico de flexibilidade pelo menos duas vezes por semana. Use um tênis adequado ao esporte e ao seu tipo de pisada. Controle a alimentação, ingerindo alimentos com baixo valor calórico, evitando açúcar e gorduras. Tenha sempre o acompanhamento de bons profissionais. Experimente correr com grupos de treinamento de corrida. O estímulo, sem dúvida, é muito maior. Corra com regularidade e torne o esporte um hábito em sua vida. Melhore suas marcas. Aumente o seu limiar aeróbio. Aumente a força muscular, pois o treinamento de resistência potencializa cada músculo exigido na corrida. Treine musculação pelo menos três vezes por semana. Faça um trabalho de fortalecimento, principalmente, dos tornozelos, panturrilhas e músculos que reforçam os joelhos. Não tenha pressa para aumentar distâncias ou a velocidade de corrida, deixe que isso aconteça gradativamente. Faça incrementos de carga suaves e gradativos. Sempre que possível corra de manhã, pois se você deixar para correr no final do dia, poderá estar atrapalhado com seus afazeres ou estar muito cansado das atividades que fez. Corra de preferência na mesma hora, acostumando assim o organismo à atividade. Desta forma, quando você não correr, sentirá falta.
 
Não corra todos os dias da semana, procure alternar a corrida com outra atividade aeróbia, como natação, bicicleta, step, spinning. Controle a freqüência cardíaca (entre 60% e 75% da freqüência cardíaca máxima, para iniciantes). Se concentre nos treinos. Siga um programa com treinos progressivos e reavalie o treino periodicamente (a cada dois meses). Muitos corredores acham que o maior número de lesões ocorre durante um treinamento de velocidade, mas as lesões ocorrem por: excesso de volume (muitos quilômetros), ter antecedentes de lesões e falta de descanso. Alterne corridas na esteira e na rua. Na esteira não há a resistência ao vento, ocorrendo um esforço menor do que correr ao ar livre. Na rua, além da força do vento, você tem que fazer toda a força para executar a corrida sem impulso da esteira, ficando um pouco mais difícil. Mas, cuidado com o trânsito. Corra na conta-mão para visualizar os carros e cuidado com os buracos e desníveis do chão.
 
Você já teve aquela dor no abdome enquanto corre? Esta dor é normal, principalmente para iniciantes. Isto se chama flato e ocorre porque o diafragma não está costumado com as subidas e descidas que as contínuas passadas da corrida provocam. À medida que o seu condicionamento melhora isto desaparece. Evite mudanças bruscas de velocidade no começo. Isto também produz o flato. Se você é iniciante, não estabeleça distâncias para percorrer. Ouça o seu corpo. No começo o melhor é construir uma boa base de resistência, correndo por um determinado tempo pré-determinado, sem se importar tanto com a distância. Quando já estiver com um bom condicionamento, aí sim, você poderá traçar (junto ao seu técnico) um objetivo como completar 10 km em 1 hora. As dores provocadas pelo exercício são causadas por microtraumatismos nos músculos e tendões. O melhor modo de evitar este mal é não fazer mudanças bruscas nos treinos que não ofereçam tempo suficiente para o seu corpo se adaptar. O desempenho feminino é pior na fase da menstruação e uma semana depois da ovulação, pois a progesterona, um hormônio chave, alcança nestes períodos, seu nível máximo. Todos os treinos devem ser iniciados com trotes leves e estes devem se repetir no final do treino (para que a sua freqüência cardíaca e respiração voltem ao normal). A constância nos treinos é a chave da melhora de resultados. Alterne a intensidade das corridas, incluindo rampas, ladeiras e aumentando a velocidade de acordo com o programa que o seu técnico irá montar. E boa corrida.

BENEFÍCIOS DA CORRIDA
 
Correr traz um número incontável de benefícios para a qualidade de vida do indivíduo. Num documento que apresenta o posicionamento oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte e da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, publicado em 1999, os principais efeitos benéficos da corrida seriam:
 
– redução do peso corporal
– maior controle dos níveis de colesterol
– aumento da capacidade cardiorrespiratória
– redução dos riscos de infarto
– aumento da massa muscular
– melhor controle da pressão arterial de repouso
– auxílio para regular a glicemia (a taxa de açúcar no sangue), evitando que os níveis de glicose se elevem, e para aumentar a captação desse açúcar pelas células. Para muitos indivíduos diabéticos, isso resulta numa significativa redução de medicamentos.
 
Estudos comprovaram que a corrida mantém a reserva funcional. Ou seja, na transição dos 30 para os 40 anos de idade iniciasse um processo de diminuição da Reserva Funcional (RF) – mecanismo pelo qual nos adaptamos às sobrecargas funcionais (resposta do músculo a uma solicitação do organismo) – mas a partir de uma faixa etária ela é imperceptível. A diminuição da RF significa que os órgãos ou sistemas tornam-se menos capacitados para responder ao aumento da demanda. Se a pessoa pratica atividade física com regularidade, consegue manter a Reserva Funcional em seu patamar mais elevado, o que permite uma resposta adaptativa semelhante à de grupos etários mais jovens.
 
Assim sendo, podemos dizer que correr é bom para o:
 
Circulação: o sangue circula mais pelo corpo, aumentando a entrada de oxigênio nos tecidos e otimiza a função dos órgãos.
 
Rins: o aumento da circulação melhora a função do rim, que filtra o sangue e reduz o número de substâncias tóxicas que circulam pelo corpo.
 
Sono: o organismo aproveita melhor as horas de sono. É nesse momento que o corpo relaxa e absorve os ganhos fisiológicos do exercício.
 
Cérebro: aumentam os níveis de serotonina, neurotransmissor associado à depressão. Em baixos níveis, o hormônio é associado às alterações do sono, vontade de comer doce e depressão.
 
Perda de peso: uma pessoa de 70 kg queima cerca de 450 calorias a cada hora de corrida.
 
Glicemia: as taxas de glicose caem e as células se tornam mais sensíveis à insulina, o que reduz os níveis de açúcar no sangue.
 
Ossos: a corrida estimula a formação de massa óssea ajudando a prevenir lesões como a osteoporose.
 
Pressão: a corrida promove maior elasticidade dos vasos sangüíneos, o que ajuda a manter a pressão baixa.
 
Pulmão: corredores têm menos risco de contrair infecção respiratória, já que, com a corrida, a função do pulmão é maximizada – principalmente na porção superior.
 
Colesterol: os níveis de HDL (colesterol “bom”) aumentam e os níveis de LDL (colesterol “ruim”) diminuem.
 
Estresse: o hormônio cortisol, liberado quando a pessoa está estressada, é queimado durante a corrida, diminuindo a carga de estresse.
 
Coração: a corrida ajuda a fortalecer e melhorar a eficiência. Gradativamente o atleta tem capacidade para bombear mais sangue com menos esforço (batimentos cardíacos).

Fonte: Copacabana Runners – Corrida e Saúde

Lesões na perna


Inflamação nos músculos e tendões, síndrome compartimental, fratura por estresse e distensão muscular

 

Inflamações na região da tíbia (conhecidas como canelite) 

 

A lesão mais provável em corredores e caminhantes iniciantes é a popularmente conhecida “canelite”, que também é chamada de síndrome de estresse do medial tibial, a qual é simplesmente uma inflamação ao longo do lado interno do osso da tíbia.

Fratura por estresse geralmente causa uma dor contínua e restrita a um ponto. Não corra. Se você tem uma dor ou sensibilidade mais difusa no terço inferior da parte interna da perna, ou ao longo de toda a tíbia, e se o alongamento alivia a dor, é menos provável que seja uma fratura. Caso consiga lidar com a dor, corra sobre superfícies mais macias.

No caso de inflamação na região da tíbia, dor é sentida estendendo-se os dedos e realizando exercícios de impacto contra o solo. Dói se você pressionar a área com o dedo. Fisiologicamente, isso é uma inflamação nos tendões ou músculos da área. A dor piora gradualmente durante a corrida, porém, em alguns casos, melhora quando o corpo está bem aquecido mas retorna ao final do exercício. Em outros casos, a dor melhora assim que a corrida termina.

Causas:
* Correr jogando o peso muito pra frente;
* Pisar no solo com o primeiro terço do pé;
* Passadas muito largas;
* Super-pronação
* Calçado muito apertado ao redor dos dedos;
* Tênis de corrida pouco flexível;
* Arco de pé fraco também pode contribuir;
* Panturrilha rígida estressando as estruturas da tíbia…
* … A qual faz tensão e puxa os músculos da tíbia;
* Corredores iniciantes são mais propensos.
* Supertreinamento é marca registrada; especialmente:
* Aumentando o volume de treinamento muito rapidamente;
* Correndo sobre superfícies duras;
* Muito treino de velocidade, muito prematuramente, sobre superfícies duras.

Prevenção – Dê preferência a tênis de corrida flexíveis na parte frontal. Troque o tênis de corrida sempre que usá-lo de 480 a 640 km. Use uma calcanheira para reduzir o choque, assim como suporte para arco do pé ou palmilha de amortecimento, se necessário. Não aumento seu volume de treinamento drasticamente ou faça treino de velocidade prematuramente. Equilibre o seu treinamento. Corra uma menor quilometragem e o faça sobre superfícies mais macias. Inclua corrida em piscina ou outra atividade física complementar.

Concreto é seis vezes mais severo para os seus tecidos da tíbia do que o asfalto. O asfalto é três vezes mais severo do que a terra batida. A grama é ainda mais macia, e diminui significativamente o risco de inflação na região da tíbia. Retorne o volume de treino nas ruas em 1,5 ou 3 km por vez à medida que volta ao treinamento pleno. Use ortopédicos ou tênis anti-pronação.

Alongue antes da corrida, e mais uma vez depois do aquecimento. Cometeu um erro no treinamento e está com a canela doendo? Coloque gelo, tome anti-inflamatórios não esteróides e não cometa o mesmo erro novamente!

A canela sempre dói depois de uma sessão de treino na pista de atletismo? Então faça seu treino de velocidade sobre terra batida, grama, areia, ladeira acima, na esteira ergométrica ou faça corrida na piscina. Também conserte qualquer erro no treinamento. Faça a quantidade apropriada de treino de velocidade e corra num ritmo adequado. Gradualmente aumente os treinos de velocidade para até 10% do volume semanal em uma sessão, e não corra mais rápido do que o seu ritmo numa corrida de 5 km até que seja capaz de realizar os 10% sem dores severas.

Não se esqueça de fazer o desaquecimento, ou volta à calma… Provavelmente a parte do treino mais negligenciada. Correr por mais 3 ou 5 km pode parecer horripilante depois de fazer 20 repetições de 400 metros no ritmo de corrida de 5 km. Isso é horripilante se você não está em forma suficiente para correr esses intervalos sem um pouco de reserva! A corrida leve introduz sangue com seus nutrientes e acelera a extração dos produtos do desgaste da corrida rápida. Adicione 400 metros de caminhada no final e você também estará diminuindo o acúmulo sanguíneo pós-exercício que contribui para inflamação nos músculos. Molhe suas pernas com água gelada, coloque seus pés para o alto por 20 minutos enquanto se re-hidrata e desaquece, e então tome uma ducha e faça os alongamentos.

A musculatura da tíbia trabalha de encontro aos grandes músculos da panturrilha, e é a última musculatura a aquecer e a primeira a esfriar. Com isso em mente, faça exercício para fortalecê-la. Sentado numa cadeira, desenhe círculos largos com o seu dedão do pé, e depois desenhe o alfabeto. Depois de algumas semanas, adicione o exercício “pote de tinta”: sentado numa mesa, pendure um peso no dedão do pé e o levante flexionando o tornozelo numa seção de 12 repetições. Ou então enganche um cinto elástico, ou item similar, ao redor do dedão do pé e empurre conta ele 10 vezes e depois o puxe em sua direção 10 vezes. Reduza sua quilometragem para se livrar da inflamação na região da tíbia. Já que os músculos da região da tíbia são os últimos a aquecer, vestir meias de cano longo pode ajudar no aquecimento.

Dor na parte exterior da tíbia? Caminhe apontando os pés para dentro por um minuto por dia. Dor na parte interior? Caminhe com os pés apontados para fora por um minuto. Aumente gradualmente os exercícios descritos acima até atingir 5 minutos. Então, pratique a caminhada sobre seus dedos e sobre o calcanhar com os pés apontando para dentro e para fora.

Tratamento – Use gelo e anti-inflamatórios não esteróides no começo da inflamação. Então trabalhe a flexibilidade: alongue antes e depois do exercício. Deite-se de costas com um pé no ar. Coloque uma toalha em volta da sola do seu pé, e puxe com a sua mão esquerda para trazer os dedos do pé para baixo e para a esquerda, o que irá alongar os músculos à direita.

Também massageie gentilmente o músculo respeitando sua tolerância à dor. Use gelo alternando com calor úmido… então submeta a musculatura à amplitude total de movimento. Use anti-inflamatórios não esteróides.

Fonte: Copacaban Runners – Corrida e Saúde

Mixto Futebol Clube


Por Mauro Vallim

“O coração mixtense nasceu na rua 7 de setembro, quase em frente da Igreja Senhor dos Passos, no centro da Capital.Especificamente, na saudosa Livraria Pepe – um casarão construído em estilo colonial e tombado pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional”.

“O preto e branco da bandeira, do uniforme e dos inúmeros adereços foram determinados pela diretoria inicial. O Hino tem a letra e a melodia de Zulmira Canavarros e do acadêmico Ulisses Cuiabano”

O nome do clube está ligado ao fato do grupo de seus fundadores ser composto por homens e mulheres. Sendo assimm, Maria Malhado, Gastão de Matos, Naly Hugueney de Siqueira, Avelino Hugueney de Siqueira (maninho) dentre outros, fundaram o MIXTO ESPORTE CLUBE no dia 20 de maio de 1934.

Atualmente, a grafia causa certa estranheza, haja vista que se escreve esse vocábulo com “S”. Acontece que o uso da letra “X” no lugar do “S” se deve ao fato de que na época a palavra era grafada dessa forma.

Os tempos mudaram. Houve a reforma ortográfica na língua portuguesa alterando a grafia de diversas palavras, inclusive dessa, mas achou-se por bem conservar o nome do time como o de registro. Ao Contrário do que contam, não tem qualquer relação com os lanches “Mixto quente” e “Mixto Frio”.

A grandeza deste clube não tem parâmetros, pois desde a sua fundação consagrou-se campeão em 2 Campeonatos Estaduais, tanto no período amador, quanto no profissional como 1979/80/81/82/84/88/89/96/2008, antes e após a divisão do Estado. Um dos seus grandes feitos foi consagrar-se Campeão do Centro-Oeste em 1976. O Mixto Esporte Clube é alvi-negro(preto e branco), e em sua camisa destaca-se uma faixa diagonal descendo da esquerda para a direita, lembrando o uniforme do Vasco da Gama, e é chamado de “Tigre da Vargas” devido à garra dos seus jogadores e à fidelidade de sua torcida. Clube de maior tradição, maior e mais fanática torcida de Mato Grosso, o Mixto é destaque no cenário esportivo nacional, tendo participado do Campeonato Nacional hoje Brasileiro em 11 edições (1976 à 1986), ocupando, atualmente, o 49 lugar no ranking d CBF(2006).

Em sua história o Mixto revelou e projetou grandes valores para o futebol Brasileiro e Internacional. No cenário internacional, o primeiro deles foi Traçáia, jogador que atuou na Europa, mais precisamente na Áustria.. O segundo foi Bife, que defendeu as cores do Futebol Clube do Porto, em Portugal. Destacaram-se também Gonçalves, Miro, Luis Carlos Beleza, Ruíter, Tostão, Vanderlei, Humberto, Elias, Gaguinho, Pastoril, dentre outros.

(Fonte: Livro Egéria Cuiabana – de Benedito Pedro Dorileo – Ed.1976).

Beber leite na gravidez reduz riscos de esclerose múltipla


Terra – Quarta, 17 de fevereiro de 2010, 18h52

A cada nova pesquisa se descobre mais evidências de que a ligação entre mães e seus bebês é ainda maior. A última afirma que beber leite e ingerir vitamina D durante a gravidez pode ajudar a reduzir as chances de o filho desenvolver esclerose múltipla quando se tornar adulto. Esse estudo preliminar será apresentado no 62° Encontro Anual da Academia Americana de Neurologia, marcado para abril deste ano em Toronto, Canadá.
Os pesquisadores analisaram os questionários sobre a dieta na gestação de 35.794 mães de enfermeiras. Ao longo dos 16 anos de avaliação, 199 enfermeiras desenvolveram esclerose múltipla.

As chances de ter a doença entre as filhas de mulheres que consumiram quatro copos de leite por dia foi 56% menor em comparação com as nascidas de quem apostou em menos de três copos do líquido por mês.

“Encontramos também que o risco de esclerose múltipla entre as filhas de mães que estavam no topo dos 20% de ingestão de vitamina D durante a gravidez foi 45% menor do que as filhas de mães com ingestão inferior a 20%”,disse Fariba Mirzaei, da Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, ao site Science Daily.

“Há evidências crescentes de que a vitamina D tem efeito sobre a esclerose múltipla. Os resultados desse estudo sugerem que o efeito pode começar no útero.”

Fonte: www.terra.com.br

A importância da massagem para evitar lesões em corredores


É sabido que movimentar-se é saudável. Desde pequenas atividades diárias como uma ginástica pela manhã, um passeio a pé, mantém o corpo flexível, ativa a circulação, mantém a forma e elimina toxinas que causam o stress.
Mas é importante saber movimentar-se. Principalmente os atletas que participam de corridas e maratonas. O atleta deve saber ser paciente e não exigir demais do corpo para evitar contusões.
O que muitos talvez não saibam são os benefícios que a massagem pode trazer para evitar dores musculares e contusões aos corredores.
A massagem estimula a boa irrigação sanguínea dos músculos e acelera a eliminação do ácido lático. Esta boa irrigação sanguínea dos músculos significa que eles ficam mais aquecidos, flexíveis e conseqüentemente menos vulneráveis a contusões.
A Weleda possui um Óleo de Bétula para Massagem com Arnica que é amplamente utilizado por desportistas de todo o mundo. Este óleo aquece o local da aplicação, favorecendo a irrigação sanguínea e o relaxamento do tecido muscular. Além disto, a arnica possui propriedades antiinflamatórias naturais, prevenindo também as lesões.

Antes de correr, vale à pena soltar os músculos que serão intensamente exigidos na corrida. Há estudos que afirmam que a massagem durante o período de descanso de um treinamento, pode triplicar o desempenho do atleta.
Depois da corrida, a massagem é importante para reduzir o tempo de recuperação dos músculos.
Quando se termina uma corrida, os músculos ainda estão totalmente aquecidos pelo árduo trabalho. Por conta da conversão da energia dos açucares em trabalho muscular o calor é liberado. Com a parada abrupta do movimento os músculos se resfriam rapidamente, principalmente quando está frio. Se este resfriamento ocorre rápido demais, podem acumular-se toxinas nos músculos, o que resulta em rigidez e dores musculares.
A massagem com um óleo apropriado faz com que o esfriamento ocorra de maneira gradual. O óleo de Bétula para Massagem com Arnica cria uma camada protetora isolante. A massagem, o óleo e o extrato de arnica mantêm os processos calóricos por um tempo em vigor. Assim o processo energético nos músculos pode recuar uniformemente para o nível normal, e as dores musculares são evitadas. Quando já se está com dores musculares, o extrato de arnica nesse óleo ajuda a recuperar os músculos, e o óleo aquecedor contribui para que os músculos tensos se relaxem mais facilmente.

Fonte: PATRICIA WESSELS (Brasil). Massagem: promovendo saúde e bem-estar. São Paulo: Antroposófica, 2004.

Você ja abraçou seu filho hoje?


Tenho certeza que estas perguntas não querem calar no nossos corações! Abraçar os filhos…quantos de nós, pais, já perdemos esse costume, esse hábito tão importante para o seguimento da vida! Talvez porque o tempo seja curto, o trabalho, a correria diária impeça que esse ato tão simples faça parte do seu dia a dia.
O abraço permite que nos aproximemos dos nossos filhos e próximos deles podemos sentir o cheiro, a velocidade do batimento do coração, enfim, podemos sentir o que eles sentem. Podemos “descobrir” tantas coisas ocultas nos corações de nossa crianças, tantos conflitos, talvez, que nem eles próprios conseguem externar.Científicamente falando, é provado por experiências que, animais confinados em laboratórios e alimentados diariamente, quando recebem carinho, se desenvolvem e crescem melhor, enquanto que os animais que só recebem alimento e nenhum carinho, morrem muito mais cedo! Se é assim com animais irracionais, quanto mais com seres humanos!
O abraço é capaz de mudar um relacionamento. Às vezes, não é preciso dizer nada…só um abraço e tudo passa, o rancor, a raiva, a repulsa. O abraço é o melhor remédio para qualquer enfermidade espiritual, psicológica, física, enfim, não sei como alguém pode sobreviver sem um abraço.
Já dizia o nosso querido e saudoso Pe. Léo: o abraço cura todas as doenças!
Experimente fazer isso, um abraço por dia já é suficiente, mas um abraço com qualidade, com vontade, com alegria. Abrace seu filho, seu marido, sua esposa, seus netos, genros, noras, sogra, sogro, seja feliz, seja intermediário da cura para aqueles que voce ama!
Deus se alegrará muito com esse ato nobre, de amor, de generosidade e de doação. Tente! Você pode em nome de Jesus!

Deixo meu abraço de paz a todos que leram essa pequena mensagem

Carnaval chegando. Confira aqui algumas dicas para se dar bem na folia


Por Thamia Tavares

A maratona do carnaval ocorre no período do verão brasileiro, portanto exige cuidados redobrados com a saúde. Para que os foliões brinquem sem preocupações, é importante dar atenção especial à alimentação, à reposição de líquidos e energia do corpo e também evitar lesões musculares. A folia do carnaval pode ser comparada a uma prática esportiva, a intensa atividade física nas brincadeiras do período demanda cuidados semelhantes, como a hidratação constante do corpo e alongamentos. Fazer refeições reforçadas de nutrientes antes de brincar o carnaval também é aconselhável.

A ingestão de carboidratos, por exemplo, batata, macarrão, pães e aveia fazem toda a diferença para quem vai pular o carnaval, seja em blocos de rua, seja na avenida. Na hora do descanso, para repor os nutrientes necessários, é importante ingerir proteínas que podem ser encontradas em carnes magras e no ovo. Comidas gordurosas são de digestão mais difícil e podem atrapalhar a festa. Frituras e pratos “pesados”, como feijoada, devem ficar de fora do cardápio neste período. Boa parte dos foliões associa bebidas alcoólicas às atividades físicas do carnaval, sendo que o álcool acelera a perda de líquidos pelo corpo, assim como bebidas com cafeína ou muito açúcar. Dar preferência a uma alimentação leve com frutas suculentas, verduras e legumes, pode fazer a diferença. “Ingerir bastante água e isotônicos ajudam na reposição de líquidos do corpo”, disse o professor de educação física Hugo Chaves.

“Bebo muita água e me alimento direito. Pra curar a ressaca eu preparo uns caldos e como na hora certa. Um remedinho pra dor de cabeça de ressaca também vale. Só não deixo de brincar”, explica o chaveiro Cleiton Lopes.

Algumas brincadeiras do carnaval acontecem com exposição ao sol, e para evitar o desgaste do corpo e da pele, é recomendável utilizar filtro-solar. O uso de roupas claras, leves e folgadas, podem propiciar um maior conforto. Uma boa idéia é incluir no figurino um boné ou chapéu para maior proteção, e também óculos escuros com proteção ultravioleta. Para aliviar a sensação de desconforto gerada pelo calor, nada melhor do que água. Sempre que puder, lave o rosto, nuca, braços e mãos, tome uma ducha fria, mergulhe na piscina ou tome um banho de mar. Alguns exercícios de baixo impacto como caminhar, pedalar, nadar e fazer hidroginástica são atividades que ajudam no preparo físico. Fazer alongamentos antes de depois das brincadeiras de carnaval podem evitar lesões musculares. Usar calçados confortáveis é outra dica importante.

De manhã
A famosa “ressaca”, no carnaval vem em dose dupla. Tanto o intenso desgaste físico quanto o ingestão de bebidas alcoólicas provocam os incômodos do dia seguinte à folia. “A ingestão de bebidas alcoólicas provoca a perda de glicogênio do corpo, diminuindo a reserva de glicose do sangue. Para amenizar a ressaca do dia seguinte, repousar é imprescindível, assim como hidratar o corpo e alimentar-se bem”, disse Hugo Chaves.  Entre o teor alcoólico das bebidas, a vodka é a mais perigosa, é cerca de 45% de álcool por litro de água. O uísque vem logo depois com 43%. A preferência nacional, cerveja, tem apenas 5% de álcool, no entanto é ingerida em quantidades consideravelmente maiores. O importante é moderar o consumo. E vale lembrar sempre: Se beber não dirija e se dirigir, não beba. E use sempre camisinha.

“Eu brinco bastante no carnaval, mas em compensação eu não bebo. Procuro me alimentar bem, mas noite de sono eu perco. Como não bebo eu me recupero rápido. No outro dia, descanso e bebo muita água”, disse a comerciante Silvia Cristina.

Dicas
Quanto à segurança no carnaval, valem algumas dicas: não use objetos que chame atenção, como celulares, jóias, máquinas fotográficas; leve apenas a quantia necessária de dinheiro; evite envolver-se em brigas e discussões; Não use drogas; Dê atenção especial à criança e aos idosos; tenha sempre no bolso uma Xerox de algum documento pessoal de identificação e um número de telefone anotado em um papel; evite ficar sozinho e em áreas desertas.

Use camisinha, beba sem exageros, se exagerar vá de táxi.

« Previous entries